Vila Verde

Bombeiro salva criança ao parar carro desgovernado

Bombeiro salva criança ao parar carro desgovernado

A coragem e os reflexos de António foram decisivos: ao aperceber-se de que um menino seguia, sozinho, no interior do carro desgovernado, o bombeiro usou a sua viatura particular para travar a marcha do veículo e impedir o pior.

"Para mim, é um herói e ficar-lhe-ei eternamente agradecida". É assim que Ana Lopes, professora de 40 anos de Vila Verde, Braga, se refere a António Pedro Martins, 27 anos, voluntário dos Bombeiros de Vila Verde. Ele que, apesar de não estar de serviço, pode muito bem ter salvo a vida do seu filho mais velho. Pela bravura demonstrada, o nome deste herói será proposto para Bombeiro do Ano.

Tudo aconteceu há uma semana, ao final da tarde. Ana Lopes, mãe de dois menores, foi levar o filho mais novo a casa de um familiar. "Puxei o travão de mão com toda a força e saí do carro", lembra, explicando que tinha estacionado numa rua íngreme.

No interior do carro, ficou a dormir o filho mais velho, de seis anos. Depois de a mãe ter abandonado a viatura, esta começou a descair, precipitando-se perigosamente na direção de uma avenida bastante movimentada. A professora ainda se apercebeu. "Fui a correr, ainda agarrei no puxador da porta, mas não tive força para parar o carro."

É aqui que entra em ação António Pedro Martins, bombeiro que, uns metros abaixo, andava às voltas com um carro que tinha aparcado nas proximidades há seis meses. "Lembrei-me naquele dia de ir verificar se o carro ainda tinha bateria. Quando estava no interior, apercebi-me da situação. E reagi como qualquer pessoa, acho eu", contemporiza o bombeiro, que, num impulso, arrancou em marcha-atrás em direção ao carro desgovernado. "Consegui que o meu carro servisse de almofada. O carro da professora parou e acalmei aquela mãe em pânico", conta.

A intervenção do bombeiro parece simples mas, àquela hora - 17.45 horas, - a Avenida Doutor António Ribeiro Guimarães tem muito trânsito, sobretudo de pesados e autocarros escolares. "Podia ter acontecido uma tragédia", diz a mãe, que redigiu uma carta ao Centro Distrital de Operações de Socorro de Braga louvando a atitude do bombeiro.

O comandante dos Voluntários de Vila Verde, António Lomba, está orgulhoso: "São atitudes como estas que nos fazem querer continuar".