Vizela

Fecharam fábrica de calçado e despediram 150 pessoas mas abriram stand em Milão

Fecharam fábrica de calçado e despediram 150 pessoas mas abriram stand em Milão

Empresa conhecida pela marca Eureka está na feira de calçado de Milão a apresentar uma nova marca, com uma nova designação social, embora com a mesma morada. Está incontactável.

A Alberto Sousa, Lda, fabricante de calçado, fechou as portas, deixando 150 trabalhadores no desemprego. A empresa de Vizela, mais conhecida pela marca Eureka, anunciou há três semanas o encerramento das 13 sapatarias em Portugal, mas nada fazia prever o fecho da unidade fabril. Trabalhadores e sindicato foram apanhados "de surpresa". A Administração mantém-se incontactável.

"Na sexta-feira, às 17.30 horas, quando acabaram a jornada de trabalho, foram chamados a uma reunião com a Administração, que lhes entregou, em mão, uma carta dispensando-os de se apresentarem ao serviço a partir de hoje [ontem] (segunda-feira). Não receberam o modelo 5044 para acesso ao subsídio de desemprego, tendo sido informados que teriam de esperar pelo administrador da insolvência para o efeito", explicou, ao JN/Dinheiro Vivo, a dirigente do Sindicato do Calçado do Minho e Trás-os-Montes, Aida Sá.

Insolvência

O sindicato fez uma participação à Autoridade para as Condições do Trabalho e cada um dos 150 trabalhadores requereu à empresa a emissão da referida documentação para efeitos de subsídio de desemprego.

"Foi uma surpresa até para nós. Os funcionários trabalharam até ao último minuto, sem qualquer aviso prévio. Até porque não têm salários em atraso. E a empresa liquidou hoje [ontem] mesmo os 16 dias de trabalho de fevereiro", avançou Aida Sá.

Na carta entregue em mãos, por Alberto Sousa e o filho Filipe, os dois administradores da empresa que se fizeram acompanhar por dois advogados, a empresa justifica o fecho com "motivos de ordem económica", e diz que irá "preparar e reunir toda a documentação necessária para, na semana de 17 a 21 de fevereiro, se apresentar à insolvência". A empresa justifica a dispensa dos trabalhadores, dizendo ser "indispensável", na medida em que "não reúne condições financeiras para continuar a pagar salários". Mas explica que, por não ter salários em atraso, a lei não lhe permite "cessar, de imediato, os contratos de trabalho".

A empresa está por estes dias a apresentar a sua nova marca de calçado, a ESC, na Micam, a feira de Milão. Apesar de aparecer no catálogo da feira como propriedade da Asial-Indústria de Calçado, Lda, esta tem a mesma morada da Alberto Sousa, na Rua da Boca, 152, Caldas de Vizela, e está a ser apresentada pela diretora comercial da Eureka, com um email cujo domínio é eurekashoes.pt.

Oliveira de Azeméis

Há uma semana, o encerramento das fábricas de calçado Catalã e Jomica, em Oliveira de Azeméis, pertencentes ao mesmo proprietário, deixou 110 pessoas no desemprego.

São João da Madeira

A Helsar, histórica fábrica de calçado em São João da Madeira, informou no final do ano passado os 57 trabalhadores da que a empresa ia entrar em processo de insolvência.

Lousada

Parte dos 160 trabalhadores da fábrica de calçado Sioux, em Lousada, fizeram vigílias à porta da empresa para evitar a eventual saída de máquinas e materiais, em meados do ano passado. A empresa acabou por fechar em final de maio.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG