Crise pandémica

Associações de Bragança unem-se para salvar o comércio local

Associações de Bragança unem-se para salvar o comércio local

Sete associações comerciais e empresariais do distrito de Bragança uniram-se para salvar o comércio local, numa altura em que enfrentam grandes dificuldades decorrentes da crise pandémica.

A ideia é trabalhar em conjunto com vista à defesa e valorização dos negócios locais, comércio, indústria e serviços, apostando, no imediato, no desenvolvimento de campanhas de promoção que estimulem o consumo e a movimentação entre concelhos. Para o efeito, vão ser desenvolvidas ações de promoção dos negócios neste distrito e estruturar novas ferramentas de aceleração da retoma, informou uma fonte ligada às associações comerciais. Está ainda em marcha a criação de um "Selo Local" para o comércio e as empresas que dê garantias de qualidade, segurança e confiança ao consumidor.

Participam neste compromisso de união a ACISB (Associação Comercial, Industrial e Serviços de Bragança), o NERBA (Associação Empresarial do Distrito de Bragança), a ACIMC (Associação Comercial e Industrial de Macedo de Cavaleiros), a AICAF (Associação Industrial e Comercial de Alfândega da Fé), a ACISM (Associação Comercial Industrial e Serviços de Mogadouro), a ACIVIMIOSO (Associação Comercial e Industrial de Vimioso) e a ACIM (Associação Comercial e Industrial de Mirandela). "Numa altura de grandes restrições à mobilidade, em que o setor do turismo praticamente parou, as associações envolvidas neste projeto apostam na comunidade residente no território, pretendendo sensibilizar a população para a necessidade de, preferencialmente, adquirir produtos e serviços dentro da própria região, e também de estimular as "viagens" locais, dentro do próprio distrito, incentivando a comunidade de cada concelho a conhecer os municípios vizinhos", explicou a fonte.

As associações vão apostar numa campanha promocional para estimular o consumo e a confiança nos estabelecimentos locais, neste tempo de maiores desafios, bem como criar campanhas de promoção turística dos próprios concelhos, pretendendo atingir o público externo, mas, sobretudo, os próprios transmontanos, estimulando a vontade de conhecer os atrativos e pontos de interesse dos concelhos vizinhos.

Esta parceria, a curto médio prazo, pretende trabalhar também na "organização do produto" regional e na criação de uma plataforma de comercialização online, que possa ter escala e servir, em simultâneo, os setores da produção, transformação, comercialização e serviços.

Outras Notícias