Covid-19

Distrito de Bragança só tem uma cama disponível nos cuidados intensivos

Distrito de Bragança só tem uma cama disponível nos cuidados intensivos

A média de doentes internados com covid-19 no distrito brigantino é muito superior à média nacional.

Estão cada vez mais pressionados e à beira do limite os hospitais do distrito de Bragança que integram a Unidade Local de Saúde do Nordeste (ULSNE) depois da pior semana de que há registo desde o início da pandemia, há precisamente dez meses, com 821 casos novos e apenas 531 recuperados.

Dados da ULSNE indicam que, às zero horas desta quarta-feira, havia nos hospitais de Bragança, Macedo de Cavaleiros e Mirandela, 80 doentes covid internados, 64 em enfermaria e 16 em cuidados intensivos.

A capacidade de camas covid nos três hospitais é de 105, sendo que 88 estão disponíveis para internamento em enfermaria e 17 para cuidados intensivos, ou seja, resta apenas uma cama para os casos mais graves.

Diga-se que a média de doentes internados com covid-19 no distrito de Bragança, 7%, é muito superior à média nacional que se situa nos 4,2%. 93% dos atuais 1137 infetados com o novo coronavírus no distrito de Bragança estão a recuperar em casa. Os restantes 7% dos pacientes, 80 no total, estão internados.

Segundo os dados mais recentes da DGS sobre a taxa de incidência nos concelhos, relativos ao período compreendido entre 23 de dezembro e 5 de janeiro, o distrito de Bragança tem quatro concelhos no escalão de risco de contágio mais grave - extremamente elevado - com mais de 960 casos por 100 mil habitantes: Miranda do Douro, Macedo de Cavaleiros, Mogadouro e Vimioso

Já no escalão de risco muito elevado, os que tiveram entre 481 e os 960 casos por 100 mil habitantes, constam os concelhos de Vila Flor, Bragança e Alfândega da Fé

PUB

No escalão de risco elevado, com uma taxa de incidência entre 241 e 480 casos por 100 mil habitantes, estão os concelhos de Vinhais e Mirandela. Torre de Moncorvo, Carrazeda de Ansiães e Freixo de Espada à Cinta tiveram menos de 240 casos por 100 mil habitantes e, por isso, constam no mapa com o risco moderado de contágio.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG