Bragança

Novo diretor do Museu do Abade de Baçal quer "qualidade" como bandeira

Novo diretor do Museu do Abade de Baçal quer "qualidade" como bandeira

O novo diretor do Museu do Abade de Baçal-Domus Municipalis, Jorge da Costa, empossado esta quarta-feira, quer "enriquecer a coleção permanente deste espaço, para o promover, dar outra visibilidade e outra dinâmica".

Jorge da Costa ganhou o concurso público lançado pela Direção Regional de Cultura do Norte (DRCN) para o cargo, que era ocupado por Amândio Felício, e tem agora três anos para mudar a face deste museu que conta a história do distrito e está incluído na Rede Portuguesa de Museus.

"Tem coleções de muita qualidade e é essa qualidade que eu quero que seja a bandeira deste museu. Um museu de elite, mas ao nível da qualidade e que seja um espaço acessível a toda a gente. Passa por fazer pequenas alterações que podem fazer essa diferença", explicou o novo diretor do Museu do Abade de Baçal, que até agora dirigia o Centro de Arte Contemporânea Graça Morais.

PUB

Uma das apostas será a mudança completa da sala Abade Baçal, para a tornar um espaço onde o visitante fique a saber quem foi Francisco Manuel Alves, que dá nome ao museu. "Para além de ter uma experiência fantástica, quero que esta sala perceba quem é a figura do Abade de Baçal. Vai haver um investimento na figura do próprio patrono do museu, que é uma figura incontornável transmontana e nacional", descreveu Jorge da Costa, que também quer dar mais visibilidade à Domus Municipalis, "um ex-libris que é preciso valorizar e dar a conhecer mais".

A diretora regional de Cultura do Norte, Laura Castro, considera que o novo diretor do MAB vai de encontro "ao perfil definido e que os requisitos foram plenamente preenchidos por este candidato".

Com a mudança de direção "abre-se um novo ciclo", salientou Laura Castro, que envolve a programação cultural "que contribuiu para a dinâmica do museu".

O Museu do Abade de Baçal tem obras previstas para 2023, com um orçamento previsto de 645 mil euros. "Estão calendarizadas. O que estava previsto para este ano era conseguir ter os projetos para lançar empreitadas a partir do próximo não. Isso irá acontecer, haverá um conjunto de beneficiações que passam por situações de carácter infraestrutural e algumas modificações relativamente às acessibilidades deste museu, também haverá pequenas alterações na Domus Municipalis", referiu Laura Castro que deseja que os trabalhos estejam concluídos no final de 2024.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG