Produção

Granizo arrasa produção de maçã em Carrazeda de Ansiães

Granizo arrasa produção de maçã em Carrazeda de Ansiães

Durante cerca de 10 minutos caíram pedras de gelo com muita intensidade e comprometeu a produção deste ano em quase metade da área de pomares do concelho.

Os produtores de maçã de Carrazeda de Ansiães andaram, esta segunda-feira, a fazer tratamentos nos pomares para tentar atenuar os prejuízos causados por uma violenta queda de granizo, no passado sábado. Bastaram 10 minutos para arrasar até 90% da produção numa área significativa do concelho.

Os fruticultores Luís Vila Real e Duarte Borges não têm dificuldades em encontrar frutos danificados, porque, na verdade, são poucos os que não apresentam marcas das pedras de gelo que teriam o tamanho de "azeitonas". As maçãs são, por esta altura, ainda muito pequenas, e, por isso, cada bola de granizo que lhes acertou provocou danos irreparáveis.

Não é que os fruticultores de Carrazeda de Ansiães não estejam já habituados à queda de granizo na primavera, por vezes com contornos desastrosos, mas desta vez teve "uma intensidade fora do normal no concelho", diz Luís Vila Real, que é o presidente da Associação dos Fruticultores, Viticultores e Olivicultores do Planalto de Ansiães (AFUVOPA).

O responsável acrescenta que o granizo afetou "seguramente cerca de 90% da área" onde foi registado o fenómeno meteorológico e "com prejuízos bastante avultados". Estão abrangidos pomares situados nas zonas de Fontelonga, Selores, Seixo, Carrazeda e Belver.

Luís Vila Real não tem dúvidas de que o granizo "comprometeu a produção do ano". A situação vai implicar "uma perda bastante acentuada de rendimentos dos agricultores", o que, "no atual cenário, torna as coisas ainda mais difíceis". Isto porque já estão a ser afetados pelo "aumento do preço das matérias-primas, combustíveis, fertilizantes e mão-de-obra".

Os agricultores contam com o dinheiro feito com a produção para fazerem face às despesas, mas se elas estão já comprometidas no início da campanha, as coisas ficam "extremamente mais difíceis para toda a gente".

PUB

Os técnicos da AFUVOPA e da Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte já andaram a avaliar os prejuízos nos pomares afetados. Luís Vila Real aponta para perdas de "acima de 80%" e, em alguns casos, "acima de 90%". As pequenas maçãs apresentam "toques muito profundos, algumas até estão cortadas, e ficaram irrecuperáveis para efeitos comerciais".

O dirigente sublinha que o mercado "pressiona o agricultor para produzir fruta de primeira qualidade, sem toques, perfeita". Ora, "com marcas de granizo nunca vai ser possível apresentar um fruto de grande qualidade e será, na sua maioria, rejeitado".

Os fruticultores estão a ser aconselhados pelos técnicos da AFUVOPA a aplicarem nas macieiras atingidas "um fungicida com um fertilizante à base de cálcio para tentar cicatrizar e minimizar os problemas fisiológicos da planta". É que as pedras de granizo danificaram "o fruto, a folha e a madeira" das árvores. As feridas provocam "problemas fisiológicos na planta e podem ser porta de entrada de doenças e comprometer o desenvolvimento".

Para além de macieiras, Duarte Borges também tem cerejeiras, na zona da Fontelonga. "A cereja já estava bastante grande e pouca deverá aproveitar-se", enquanto "a maçã também ficou muito danificada".

A AFUVOPA faz todos os anos um seguro de colheitas coletivo, embora Luís Vila Real entenda que o modelo "não serve os interesses dos agricultores". Salienta que, por um lado, "só há lugar a indemnização quando os prejuízos são iguais ou superiores a 20% da produção" e, por outro, "só é pago 80% do valor da indemnização apurada". Daí que entenda o seguro, apenas, como uma "válvula de escape" para o agricultor em situações como a que aconteceu no fim de semana.

Em suma, "é um risco fazer o seguro e é um risco não o fazer", atendendo aos "preços que as companhias de seguros vão subindo cada vez mais", pelo facto de o concelho de Carrazeda, tal como outros, terem "um índice de sinistralidade muito elevado".

O concelho de Carrazeda de Ansiães terá, atualmente, cerca de 800 hectares de pomares de macieiras instalados, que produzem entre 25 mil e 30 mil toneladas de maçã por ano. Aproximadamente 60% pertencem aos 250 sócios da AFUVOPA.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG