O Jogo ao Vivo

Pandemia

Aumento considerável do consumo de água em Mirandela leva autarquia a pedir contenção

Aumento considerável do consumo de água em Mirandela leva autarquia a pedir contenção

No mês de junho, os mirandelenses gastaram mais um milhão e trezentos mil litros de água por dia do que no mesmo mês em 2019.

Os consumos de água no concelho de Mirandela, desde o início da pandemia da covid-19, dispararam para valores nunca antes atingidos, nem sequer no mês de agosto, por norma o mês do ano que atinge o pico do consumo na cidade do nordeste transmontano.

"Desde março até junho que o concelho regista um aumento médio de 16% face aos mesmos quatro meses de 2019", revela a presidente da câmara, Júlia Rodrigues.

Segundo os dados avançados, esta quinta-feira, pelo Município, o mês passado conseguiu ultrapassar em mais de oito milhões de litros o consumo registado no mês de agosto de 2019, altura em que se regista o regresso de milhares de emigrantes para passar férias na terra natal e de outros naturais do concelho que estão espalhados pelo país e que marcam presença nas festas da cidade.

A autarca atribui este aumento de consumo anormal "à situação de confinamento, desde o estado de emergência, à continuação do teletrabalho ou à permanência das crianças e jovens em casa, devido ao encerramento das escolas, os jovens estudantes que regressaram do ensino superior e dos emigrantes que estão a começar a chegar bem como daqueles que vivem em outras zonas do país".

Esta situação está a preocupar o executivo da Câmara de Mirandela que já está a preparar uma campanha de apelo à contenção no consumo de água. "Não podemos dizer que a situação está incontrolável, mas vamos é prevenir possíveis condicionamentos do fornecimento de água e, para isso, é preciso alguma atenção no gasto de água porque não existe capacidade ilimitada de abastecimento", afirma a autarca, acrescentando que a câmara vai dar o exemplo. "Na rega dos jardins da cidade vamos ter maior contenção, dado que água é um bem essencial e tem que ser preservado".

No entanto, Júlia Rodrigues garante que não está em causa o fornecimento de água, alegando que o concelho tem reservas, mas o verão é a época habitual de maiores consumos e, devido ao aumento dos últimos meses, já foi necessário ativar a captação dos Eixes, que normalmente fica de reserva para situações de urgência ou de escassez de água".

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG