Covid-19

Mogadouro quer manter quarentena obrigatória para quem chega ao concelho

Mogadouro quer manter quarentena obrigatória para quem chega ao concelho

A Comissão Municipal de Proteção Civil de Mogadouro defendeu esta sexta-feira que sejam repostas as medidas de obrigatoriedade de isolamento profilático por quarentena dos cidadãos provenientes do estrangeiro, independentemente da nacionalidade e do país de ou de outras regiões do país para aquele concelho.

Além disso, numa reunião realizada esta sexta-feira, em Mogadouro, foi decidido notificar todos os cidadãos numa destas situações que se violarem o dever de confinamento obrigatório, constituiu crime de desobediência.

O presidente da câmara de Mogadouro, Francisco Guimarães, explicou este endurecimento da posição municipal face à decisão da Direção-Geral da Saúde (DGS) que não recomenda o isolamento para as pessoas que regressam a Portugal de uma área com transmissão comunitária ativa pelo novo coronavírus, como o norte de Itália, China, Coreia do Sul, Singapura ou Japão. O despacho da DGS emitido hoje, refere que "não existe recomendação para evicção escolar ou profissional, ou necessidade de isolamento" para "as crianças, jovens e adultos que regressem de uma área com transmissão comunitária ativa do novo coronavírus, como o Norte de Itália, China, Coreia do Sul, Singapura, Japão ou Irão".

Francisco Guimarães diz que este despacho contraria o que havia sido determinado pela coordenadora da Saúde Pública da Unidade Local de Saúde do Nordeste, a 19 de março, que refere "que todos os cidadãos que regressem do estrangeiro permaneçam em isolamento profilático por um período de 14 dias", bem como a determinação da delegada de Saúde Regional do Norte, que ia no mesmo sentido. "O que nós percebemos é que da parte do Governo está tudo revogado", explicou o autarca, mas os municípios já divulgaram a informação da obrigatoriedade da quarentena. "Os que nos interessa é proteger os que cá estão", acrescentou Francisco Guimarães.

Na mesma reunião da Proteção Civil de Mogadouro foi ainda decidido "não aceitar as várias tomadas de posição que venham em sentido contrário às pretensões das entidades de proteção civil locais e de saúde local e regional, as quais defendem os interesses e a saúde das populações e daqueles grupos mais vulneráveis ao risco de contágio a este surto epidémico". Foi também deliberado recomendar à Rede Nacional de Cuidados Continuados que o internamento na unidade de Mogadouro seja "preferencialmente para utentes locais", evitando o internamento de pessoas de outros locais do país "onde o risco de contágio da epidemia Covid-19 é maior".

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG