Mau tempo

Cheias afogam culturas de jovem agricultora em Moncorvo

Cheias afogam culturas de jovem agricultora em Moncorvo

Mais uma cheia, mais uns milhares de euros de prejuízo. Catarina Martins, a "Melhor Jovem Agricultora de Portugal 2016", acordou, esta quarta-feira, com as águas dos rios Douro e Sabor a inundar uma boa parte dos seus 11 hectares de culturas, no vale da Vilariça, em Torre de Moncorvo. Estima que as perdas possam rondar "entre 30 a 50 mil euros".

Para além de as culturas temporárias (couve-coração, couve-lombarda, brócolos, couve-flor, entre outras) terem ficado "submersas", também foi afetado o sistema de rega por aspersão, que "ficou entupido e danificado". No ponto de venda que existe na propriedade também há estragos e, sobretudo, "muito lixo".

As culturas "dificilmente podem ser recuperadas", pois a cheia "arrasta muito lodo" que fica "agarrado às plantas". Por exemplo, "uma couve-flor é branca e por mais que se lave nunca vai ficar com a cor original". Como tal, "perde valor de mercado".

Catarina culpa a EDP por não ter "expropriado" aquela zona de cheia. "O terreno é nosso e continua a usá-lo para manobrar as águas". Uma situação que se "repete sempre que chove muito".

A agricultora tem processos a decorrer em tribunal contra a EDP, devido a situações semelhantes noutros anos de cheia, e até agora sem resultados. A elétrica tem recusado responsabilidades pelas cheias naquela zona de Torre de Moncorvo. Entretanto, Catarina Martins diz que os prejuízos acumulados são de, aproximadamente, "500 mil euros".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG