Torre de Moncorvo

Lagos do Sabor com mais 350 árvores para recuperar áreas ardidas nos incêndios

Lagos do Sabor com mais 350 árvores para recuperar áreas ardidas nos incêndios

O território dos quatro municípios banhados pelos Lagos do Sabor, em Trás-os-Montes, vai beneficiar da plantação de 350 árvores de espécies autóctones para recuperar a área ardida em incêndios florestais e também para embelezar a zona dos futuros "Sabor Lake Resort".

Trata-se de um projeto da Associação de Municípios do Baixo Sabor, iniciado esta quarta-feira, com a plantação simbólica de sobreiros e azinheiras nos concelhos de Alfândega da Fé, Macedo de Cavaleiros, Mogadouro e Torre de Moncorvo, nomeadamente em zonas atingidas pelo grande incêndio de Picões (Alfândega da Fé), que em 2013 destruiu cerca de 15 mil hectares de floresta. A iniciativa conta com a colaboração do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF). "É uma medida compensatória e um pequeno contributo para a prevenção dos incêndios", destacou o autarca de Alfândega da Fé, Eduardo Tavares.

A reflorestação teve início no concelho de Torre de Moncorvo. "Estas árvores pretendem reforçar o coberto vegetal desta área. Queremos continuar com esta iniciativa, noutra altura, provavelmente em novembro. Esta região está inserida na Rede Natura. Em colaboração com a Associação de Municípios do Baixo Sabor vamos criar pequenos bosquetes de zimbrais, sobreiros e azinheiras", adiantou a presidente do ICNF, Sandra Sarmento.

Foram ainda devolvidas à Natureza três aves, um milhafre-real e dois grifos, tratados no Centro de Interpretação Ambiental e Recuperação Animal do Baixo Sabor (CIARA), em Felgar (Torre de Moncorvo) dos ferimentos que tinham. Desde que foi inaugurado há cerca de quatro anos, o CIARA já recuperou e restituiu à Natureza mais de 250 aves, bem como animais selvagens que ali chegaram feridos ou desnutridos.

Os lagos vão dispôr do Programa Especial da Albufeira do Sabor, que está na meta final de discussão interna, e que poderá transformar o tecido económico e turístico da região. Os autarcas esperam que o documento seja terminado e posto a discussão pública até junho.

"Os trabalhos técnicos estão em fase de conclusão. Já foram apresentados os primeiros sumários e vai ser realizada uma nova reunião do Conselho Consultivo para analisar o primeiro trabalho e ver se está patente o enquadramento e o trabalho feito pelos municípios, que numa primeira fase indicaram várias zonas de investimento prioritário em termos turístico, agrícola e florestal", explicou Vítor Sobral, secretário técnico da Associação de Municípios do Baixo Sabor.

Os lagos vão ter quatro praias fluviais nos concelhos da área de abrangência, como a de Santo Antão da Barca, em Alfândega da Fé. O concurso público para a obra está em fase de lançamento. O autarca local acredita "pode vir a ser um pólo de atração", sublinhou Eduardo Tavares.

PUB

Há ainda outros investimentos em marcha como a construção de cais, barcos temáticos e zonas de lazer.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG