Torre de Moncorvo

Vai nascer no antigo "Asylo" uma Casa Solidária para pessoas com deficiência

Vai nascer no antigo "Asylo" uma Casa Solidária para pessoas com deficiência

Fundação vai recuperar antigo ​​​​​​​Asylo dos pobres para criar uma moderna Casa Solidária para idosos e jovens com deficiência ou demência.

A Fundação Francisco António Meireles, em Torre de Moncorvo, vai recuperar o antigo "Asylo", criado há mais de um século com o objetivo de ajudar e abrigar crianças pobres, para ali instalar a Casa Solidária, um projeto inovador, orçamentado em 2,8 milhões de euros, que manterá as funções sociais e solidárias inerentes à génese da instituição.

O equipamento terá, contudo, serviços especializados e diferenciados para situações demenciais de diversa ordem (em estado inicial ou avançado), perturbações mentais controladas, grandes dependentes e portadores de deficiência e/ou incapacidade.

"Criámos, assim, respostas singulares no nosso concelho e escassas na nossa região, uma vez que no sul do distrito de Bragança não há resposta nesta área", referiu António Moreira, presidente daquela fundação. O projeto vai criar mais de 45 postos de trabalho, numa fase inicial.

A ideia passa por continuar a investir na solidariedade, com apostas em novas respostas, "cujo trabalho socialmente útil se foca nos mais debilitados e desprotegidos", acrescentou o responsável. Entre as respostas sociais destacam-se a Residência Autónoma para acolhimento de jovens e adultos portadores de deficiência, de idade igual ou superior a 16 anos que, mediante um apoio mínimo, possuem capacidade de viver autonomamente; o Centro de Atividades Ocupacionais direcionado para a valorização pessoal e integração na sociedade de pessoas com deficiências; o ERPI para alojamento coletivo de pessoas idosas, que se destina a pessoas com demências de diversa ordem e o Centro de Dia para idosos com demência ou perturbações mentais controladas, onde se pretende que tenham apoio médico, cuidados de enfermagem e de outros especialistas vocacionados para as áreas de intervenção. Terá ainda Serviço de Apoio Domiciliário.

Para dar corpo ao novo projeto será preciso reabilitar o edifício do antigo "Asylo Francisco António Meireles", um dos mais marcantes da vila de Torre de Moncorvo, que se encontra em estado de progressiva degradação, por estar devoluto há 20 anos.

A Casa Solidária foi candidatada ao FFAM-Programa de Alargamento Da Rede Equipamentos Sociais, que visa apoiar e co-financiar o desenvolvimento, consolidação e reabilitação da rede de equipamentos sociais. "Temos o projeto completo e em processo de licenciamento, mas ainda não está aprovado. A Fundação assegura um financiamento de mais 600 mil euros, estamos em condições de avançar com a obra, mas estamos dependentes da aprovação da candidatura", explicou António Moreira.

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG