Negócio

Feira do Fumeiro de Vinhais espera mais público e mais vendas

Feira do Fumeiro de Vinhais espera mais público e mais vendas

Continua em franco crescimento a produção de enchidos em Vinhais, cuja tradicional Feira do Fumeiro, que se realiza entre quinta-feira e domingo, este ano espera mais público e mais vendas.

São aguardadas 80 mil pessoas num evento que já gera um volume de negócios de cerca de seis milhões de euros. "A feira não beneficia só o concelho mas toda a região. Teremos cá produtores de nove concelhos que produzem fumeiro com a nossa Identificação Geográfica Protegida (IGP)", explicou o presidente da câmara de Vinhais, Luís Fernandes.

A produção é controlada desde o nascimento dos animais até à venda dos enchidos. Em setembro foram identificados 500 suínos pelos técnicos da Associação Nacional de Criadores de Suínos da Raça Bísara (ANCSUB) como estando em condições de serem abatidos e transformados pelos pequenos produtores que estarão presentes no certame. "São eles que conferem a genuinidade ao produto", afirmou Pedro Fernandes, coordenador da ANCSUB.

A produção de enchidos deste inverno pode ser uma das melhores dos últimos anos "dadas as condições climatéricas favoráveis, com muito frio e tempo seco, o que é favorável a uma boa cura do fumeiro", referiu o autarca. Os 70 produtores individuais de fumeiro, dos quais 36 são do concelho de Vinhais, e oito unidades de transformação, terão a missão de fornecer a feira desses enchidos tão apreciados.

Em Vinhais prima-se há 39 anos pela "venda de um produto diferenciado", realçou Luís Fernandes, para ajudar a que os agricultores tenham nos enchidos um rendimento extra à atividade agrícola ou profissional.

Nos últimos anos descobriu-se uma nova fonte de receitas, a carne de leitão fresca, que já representa 80% da comercialização de carne de suíno de raça bísara, vendida, sobretudo, para a zona do Porto e para a Bairrada. "A raça bísara começou a ser conhecida e a ganhar nome. São os restaurantes que pedem estes leitões. Além disso a produção também foi impulsionada pela alheira de Mirandela que tem que usar carne de porco de raça bísara", afirmou Pedro Fernandes.

Atualmente contabilizam-se 6000 porcas reprodutoras de raça bísara, quando em 2014 eram quatro mil. Existem cerca de 200 explorações licenciadas no concelho. São números reveladores da boa saúde desta atividade.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG