Covid-19

Situações de alegada vacinação irregular em Vinhais estão a ser avaliadas

Situações de alegada vacinação irregular em Vinhais estão a ser avaliadas

As situações de alegada vacinação irregular em algumas das instituições de solidariedade social do concelho de Vinhais já estão a ser avaliadas pelas entidades da área da Saúde.

Os casos foram denunciados ao Jornal de Notícias e referiam a Santa Casa da Misericórdia de Vinhais e os Lares de Idosos de Moimenta e de Rebordelo, dando como certa a vacinação a elementos das respetivas direções.

Na Santa Casa da Misericórdia de Vinhais, o provedor indicou ao Jornal de Notícias que nesta instituição além dos idosos foram vacinados ele próprio e o vice-provedor. "Ambos enquadrados na vacinação prevista pela lei porque lidamos com os idosos. Eu passo aqui muito do meu tempo e lido com utentes e funcionários. Tenho 62 anos e doença coronária. O vice-provedor, que já está com 87 anos, e que me substitui sempre que é necessário, é uma pessoa de risco e ao estar na instituição está sempre em risco. Mais ninguém foi vacinado nos órgãos diretivos", esclareceu António Alberto Rodrigues, sublinhando que está "de consciência tranquila".

Nesta Santa Casa, a segunda dose da vacinação a utentes e funcionários está marcada para o dia 10 de fevereiro.

No Lar de Idosos do Centro Paroquial de Rebordelo, o diretor do lar, Marcos Pimentel, também presidente da junta de freguesia confirma que foi vacinado.

"Foi-me administrada a vacina porque sou funcionário da instituição e estou dentro dos critérios, aliás, a direção é composta por seis elementos (três da direção e outros tantos do conselho fiscal), mas só eu e o senhor padre fomos vacinados, neste caso porque sobrou uma dose e não deixaram dá-la a um funcionário do apoio ao domicílio. Para a vacina não ir para o lixo foi aplicada ao senhor padre, no entanto em nenhum momento, quando nos solicitaram as listagens para a Segurança Social e para o Centro de Saúde de Vinhais dos elementos a vacinar, estava incluído o nome do senhor padre Pimparel", explicou Marcos Pimentel, destacando que "o Centro de Saúde de Vinhais aceitou que o senhor padre fosse vacinado, porque como a vacina era excedente e tinha como destino o lixo".

A denúncia dava ainda conta que no Lar de Moimenta, foram vacinados vários elementos da direção, nomeadamente o seu presidente, com quem não foi possível chegar à fala, e ainda o presidente da junta, que é tesoureiro da IPSS.

PUB

Duarte Pires, presidente da União das Freguesias de Moimenta e Montouto, escusou-se a confirmar se foi vacinado, mas indicou que está a recuperar em casa depois de ter testado positivo para covid-19. "Eu por acaso sou uma pessoa doente, tenho pacemaker, entre outros problemas de saúde e 70 anos. Sou membro da direção do lar, onde me infetei com covid-19, porque andava a trabalhar voluntariamente e tratar da faturação e dos pagamentos. As pessoas que façam a sua análise porque eu não digo mais nada", justificou, negando que a sua esposa, que faz voluntariado no lar de idosos, tenha sido vacinada.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG