Reação

Bovinicultores em "choque" com abolição da carne de vaca das cantinas de Coimbra

Bovinicultores em "choque" com abolição da carne de vaca das cantinas de Coimbra

Os produtores de bovinos portugueses dizem-se "em choque" com a medida anunciada, esta terça-feira, por Amílcar Falcão, reitor da Universidade de Coimbra, que pretende eliminar a carne de vaca das ementas das 14 cantinas daquela instituição de Ensino Superior, já a partir de janeiro de 2020.

Pedro Espadinha, presidente da Federação Nacional das Associações de Bovinicultores, acusa o reitor de ter cedido ao "populismo".

"Foi com choque e estupefação que tomámos conhecimento da medida. Uma instituição como a Universidade de Coimbra (UC), uma casa de ciência, não deve tomar decisões de forma leviana, tem de recorrer à informação correta e não pode ir em medidas populistas", acusou Pedro Espadinha, em declarações ao JN.

Em causa está o facto de Amílcar Falcão, na cerimónia de receção aos estudantes, esta terça-feira, ter anunciado a abolição da carne de bovino das cantinas - como primeiro passo para tornar a UC "a primeira universidade portuguesa neutra em carbono" -, uma vez que "a carne de vaca é aquela que deixa maior pegada ambiental".

"E os combustíveis fósseis, que são o que mais polui? O reitor também vai deixar de andar de carro? E é só a vaca que fará mal? E as outras carnes, não contribuem para o aumento da pegada ambiental? Um reitor nunca deveria vir com bandeiras falsas, que não são corroboráveis cientificamente", sublinhou o representante dos bovinicultores.