Queima

Cortejo regressou a Coimbra com carrinhos e protestos

Cortejo regressou a Coimbra com carrinhos e protestos

Estudantes lembram os 30 anos de luta contra as propinas, no regresso condicionado dos desfiles académicos.

A pandemia da covid-19 impediu que Coimbra tivesse festas académicas durante dois anos e o vírus foi bem visível nas decorações dos 11 carros alegóricos (mais pequenos que o habitual) que desfilaram, este domingo, na Praça da Canção. Apesar de o cortejo ser da Queima das Fitas, a altura do ano é a da Festa das Latas (receção ao caloiro), havendo também alguns novos alunos mascarados pelos padrinhos.

Apenas 11 carros desfilaram, quando, em cortejos normais, são mais de 100. O carro de História abriu o desfile, com um boneco gigante cuja cara era o vírus. No lugar do condutor estava o ministro Eduardo Cabrita. "Com ele a conduzir podemos ir à velocidade que quisermos", brinca Rodrigo Vaz, um dos elementos do carro.

Os fitados do carro de História deviam ter ido no cortejo de 2020 e estão, atualmente, a tirar mestrados um pouco por todo o país. "Também é uma forma de nos reencontrarmos e recordarmos os tempos que vivemos em Coimbra", destaca Rodrigo.

Contra as propinas

O cortejo abriu com uma ação de protesto promovida pela Associação Académica de Coimbra, a marcar os 30 anos da luta contra as propinas. "É um dia de festa, mas quisemos marcá-la respeitando a história da Academia. São 30 anos de gerações com a mesma luta", vinca o presidente da Associação Académica de Coimbra, João Assunção.

Dia de cortejo é dia de chegada para uns e partida para outros. Sara Garrido está a viver o seu primeiro cortejo, tendo entrado em Gerontologia Social, na Escola Superior de Educação. "Tem sido bom, mas às vezes os doutores acham-se muito superiores e não gosto muito", aponta a jovem. Débora Domingos levou a cartola, a marcar o fim do curso em Ciências Farmacêuticas. "Tive receio de não chegar a viver este momento, mas lá consegui, embora noutros moldes", conta. Sobre o futuro, terminou agora o estágio curricular e vai começar em breve o profissional. "Tenho boas expectativas", completa.

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG