O Jogo ao Vivo

Albufeira

Não há qualquer queixa de turistas impedidas de usar burquíni no Algarve

Não há qualquer queixa de turistas impedidas de usar burquíni no Algarve

Duas cunhadas britânicas dizem ter sido impedidas de usar burquíni numa piscina em Albufeira. Mas, no Algarve, não há registo de queixas nem na polícia nem na unidade hoteleira.

O caso deu-se no dia 21 num aparthotel em Albufeira, onde Maryya Dean e sua cunhada, Hina, ambas de origem muçulmana, estavam a passar férias.

Segundo relataram à imprensa britânica, as mulheres dizem que foram informadas por um segurança de que "deviam usar um biquíni para respeitar a cultura portuguesa".

"Fui abordada por um funcionário que me disse que alguém se queixou de que eu não estava a usar biquíni e, portanto, não era apropriado estar na piscina", contou.

"Explicámos que não usávamos biquíni porque não nos sentíamos confortáveis, mas ele não cedeu", relatou Dean, de 36 anos, que escolheu aquela unidade turística para passar férias com os quatro filhos e outros familiares.

"Observavam-nos como se tivéssemos cometido um crime", contou, confessando que se sentiu humilhada após o segurança ter pedido à filha, que usava biquíni, para sair da piscina. Apontando para a criança, "disse-me que era aquilo que devia usar", relatou. "Têm de usar biquínis ou calções", terá dito o funcionário, segundo a cunhada de Dean.

"Não há qualquer queixa apresentada"

Elidérico Viegas, presidente da Associação de Hoteleiros do Algarve considera que a notícia posta a circular em dois tabloides britânicos "não tem qualquer fundamento". "É um fait diver da seally season", disse ao JN. O representante dos hoteleiros algarvios destaca não ter conhecimento de "qualquer queixa apresentada numa unidade da região" sobre a discriminação descrita pelas turistas.

"Os ingleses são useiros e vezeiros em apresentar queixas para obter indemnizações, vejam-se os casos recentes das alegadas intoxicações alimentares, que já deram origem a processos em tribunal, depois do governo britânico ter tido conhecimento", observa.

Elidérico Viegas reforça a sua convicção de que nada de anormal se passou, alegando que "a notícia surge depois de elas se terem ido embora, sem que seja referido em algum lado o nome do hotel". "O lógico teria sido terem apresentado queixa e quererem apontar o nome da unidade onde isso aconteceu", acrescenta.

O responsável instiga ainda as turistas em causa a "divulgarem o nome do hotel", para depois, eventualmente, se pedirem responsabilidades.

"Uma história de tabloides", resume, garantindo que um episódio destes "não faria sentido nenhum", porque, alega, o Algarve, tal como todo o país, "é tolerante e aberto a todas as culturas e credos".