Verão

Água quente no Algarve atrai baleias e peixes-aranha

Água quente no Algarve atrai baleias e peixes-aranha

Banhistas encantados com temperatura, mas existem riscos.

Com uma temperatura a rondar os 24 graus, a água das praias do Algarve tem sido uma agradável surpresa para os milhares de turistas que, este verão, escolheram este destino para férias. O único senão é que a água mais quente atrai peixes-aranha e alforrecas, pondo em perigo quem vai a banhos.

O fenómeno é tão raro, que ainda no último domingo de julho foram avistadas, a cerca de cinco quilómetros da costa, três baleias comuns, espécie que normalmente só existe em ambientes mais tropicais. Se a aproximação das três baleias - com cerca de 15 metros de comprimento cada - à costa, na zona de Armação de Pêra, surpreendeu cerca de 80 turistas que participavam num passeio de barco, já as picadelas de peixe-aranha têm estragado as férias a algumas dezenas de veraneantes.

Em zonas como Quarteira, Albufeira ou Armação de Pêra, os casos têm sido tantos que, como o JN constatou, há nesta altura uma corrida aos sapatos de borracha que podem ser usados na água (ver texto ao lado). "Só ontem, vi uns 10 ou 12 serem picados", conta António João, de Aveiro, na Quarteira, garantindo que tem sido assim na maioria dos dias. Luísa Correia, da Maia, recorda que em pequena já foi picada, mas que "a sorte é escapar".

Nem em Maiorca

César Pereira e a mulher, Augusta Gonçalves, ambos de Famalicão, estão encantados com a temperatura da água que encontraram este ano. "Isto parece o Mediterrâneo. Nem em Maiorca se apanha tão bom", dizem, ao JN.

Também Paulo Neves, de Ovar, assume que "há anos que não apanhava nada assim". "Só apetece passar o dia todo no mar", destaca.

PUB

Segundo o JN apurou, a boa notícia é que a água deve manter-se quente nos próximos tempos. Resta ter cuidado com os peixes-aranha, para evitar surpresas dolorosas. Já agora, em caso de ser picado por um peixe-aranha, o melhor é procurar a ajuda do nadador-salvador. A primeira operação é lavar o local afetado com soro fisiológico, verificar o número de picadas e espremê-las até sair sangue. Mergulhar o pé em água quente e procurar um profissional médico, caso a dor e o inchaço persistam.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG