Ambiente

Proibido capturar bivalves por causa da maré vermelha no Algarve

Proibido capturar bivalves por causa da maré vermelha no Algarve

A captura de bivalves está interdita preventivamente entre Olhão e Vilamoura devido à maré vermelha que afeta várias praias do Algarve.

A decisão foi tomada esta terça-feira pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) de forma a evitar uma eventual contaminação por toxinas provenientes das microalgas dinoflagelados. Os banhos continuam desaconselhados entre a Ilha Deserta, em Faro, e a praia da Falésia, em Albufeira.


Segundo fonte do IPMA, a interdição é uma medida preventiva, tendo em conta a presença destas microalgas que podem ter efeitos nocivos para a saúde por ingestão ou inalação da água ou por eventual contaminação de bivalves. A contaminação não está, no entanto, confirmada uma vez que ainda não foram feitas análises. De acordo com a mesma fonte, foram apenas recolhidas amostras que serão agora alvo de estudo. As espécies cuja captura está interdita na designada zona "L8 Litoral Faro-Olhão" são a amêijoa-branca, pé-de-burrinho e a conquilha.

A maré vermelha começou a ser avistada este domingo. Na segunda-feira, análises comprovaram a presença dos dinoflagelados. Como alguns tipos destas microalgas podem libertar toxinas nocivas, a Delegada de Saúde Regional do Algarve, em articulação com a Agência Portuguesa do Ambiente, decidiu interditar os banhos nas praias afetadas. A interdição será levantada assim que novas análises atestarem que não há perigo de contaminação.