Lagoa

Duas vítimas do temporal no Algarve continuam internadas

Duas vítimas do temporal no Algarve continuam internadas

Duas mulheres feridas com gravidade em consequência dos fortes ventos que atingiram na sexta-feira Lagoa e Silves ainda estão no serviço de urgência do Hospital de Faro, enquanto uma terceira teve alta este sábado, disse fonte da unidade hospitalar.

Os fortes ventos que atingiram os dois concelhos algarvios provocaram 13 feridos, três deles com gravidade, que tiveram de ser transportados para o Hospital de Faro, onde as duas mulheres continuam "em observação e tratamento no serviço de urgência", informou fonte do departamento de Comunicação do Hospital de Faro.

A mesma fonte acrescentou que a mulher que teve alta este sábado de manhã tem nacionalidade holandesa, mas frisou não poder adiantar mais informações relativamente às duas pessoas que ainda se encontram internadas.

"O Hospital de Faro não detalhará mais informações, remetendo todos os esclarecimentos para as famílias das duas utentes que permanecem no hospital", frisou à Lusa.

As três mulheres deram entrada no Hospital de Faro cerca das 16 horas de sexta-feira, depois de ficarem feridas em consequência dos ventos fortes que destruíram telhados, arrancaram árvores e estruturas móveis e viraram carros nos concelhos de Lagoa e Silves.

Em Silves, o temporal causou danos avultados nas piscinas municipais, que estão inutilizadas, no edifício da câmara e mercado municipal e também no Estádio do Silves Futebol Clube, cujo muro e bancadas desabaram.

De acordo com o presidente da autarquia, Rogério Pinto - empossado há cerca de duas semanas, após a saída da anterior presidente, Isabel Soares, para ocupar outro cargo público na empresa Águas do Algarve -, os prejuízos no concelho ascendem a vários milhões de euros.

PUB

Em Lagoa, o mau tempo causou sobretudo estragos na zona nova da cidade, uma área maioritariamente residencial, tendo destruído a fachada de entre 70 a 80 apartamentos, segundo a câmara.

O Instituto de Meteorologia classificou a situação como "fenómeno extremo de vento" e "tempo severo" e admitiu que se pode repetir por se tratar de algo imprevisível.

Do temporal resultaram 12 desalojados.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG