Pfizer

Madeira retoma vacinação e garante que tem embalagens sem humidade

Madeira retoma vacinação e garante que tem embalagens sem humidade

A campanha de vacinação contra a covid-19 foi esta segunda-feira interrompida na Madeira porque duas embalagens das vacinas da Pfizer apresentaram sinais de humidade externa. Porém, durante esta tarde, o secretário Regional de Saúde e Proteção Civil da Madeira adiantou aos jornalistas que vão continuar a vacinar, porque nem todas as vacinas ficaram danificadas.

"A vacinação foi retomada, porque as três caixas que não têm qualquer tipo de dano podem ser rapidamente utilizadas", disse Pedro Ramos aos jornalistas.

"Informamos que a campanha de vacinação contra a covid-19 será hoje [17 de maio] interrompida, em virtude do facto de duas das cinco embalagens das vacinas entregues, hoje, na farmácia do Hospital Dr. Nélio Mendonça apresentarem sinais de humidade externa", lia-se na nota divulgada pelo gabinete do secretário da Saúde e Proteção Civil do arquipélago.

No documento, o executivo madeirense adiantou que a farmácia do Hospital Dr. Nélio Mendonça, no Funchal, "comunicou de imediato com a Pfizer e recebeu indicações para não utilizar as vacinas".

Também salientou que a situação "está a ser avaliada pelos técnicos da farmácia" da unidade hospitalar do Funchal, em articulação com a equipa de qualidade global da farmacêutica. "A decisão final ficará a cargo da Pfizer", sublinhou a mesma nota.

De acordo com os últimos dados divulgados pelas autoridades de saúde da Madeira, já foram administradas na região 122 456 vacinas.

O último boletim epidemiológico difundido no domingo pela Direção Regional da Saúde (DRS) indicava que tinham sido diagnosticados no arquipélago oito novos casos de covid-19, existindo 252 situações ativas e 233 em estudo, mantendo a região os 71 óbitos.

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG