País

A1 e A8 ligadas por auto-estrada em 2012

A1 e A8 ligadas por auto-estrada em 2012

José Sócrates e o ministro das Obras Públicas, Mário Lino, procederam esta quinta-feira à assinatura do contrato da Concessão Litoral Oeste em Leiria, que inclui a ligação em auto-estrada entre a A1 e a A8 na zona de Leiria (IC36).

A concessão Litoral Oeste tem uma extensão total de 109 quilómetros: 85 de lanços a construir, acrescidos de 24 quilómetros de troços já em serviço para exploração. Além da ligação entre A1 (auto-estrada Lisboa-Porto) e A8 (Lisboa-Leiria), inclui a concepção, construção, aumento do número de vias, financiamento, exploração e conservação, com cobrança de portagem aos utentes, a Variante da Batalha ao IC2.

Já nos lanços sem portagem estão integrados o IC9 entre Nazaré e Tomar, e as variantes de Alcobaça e Nazaré, assim como a Cintura Oriente e a Via de Penetração, ambas em Leiria, e o IC2. Esta concessão prevê um investimento inicial de 348 milhões de euros.

Na cerimónia de ontem, o primeiro-ministro aproveitou a assinatura da concessão para voltar a defender que a estratégia de combate à crise passa por reforçar o investimento público. "Dá oportunidades às empresas e emprego à população", sublinhou.

O líder do Executivo aproveitou ainda para manifestar a sua satisfação pelo consórcio vencedor, que integra, entre outras empresas, a Somague, o Grupo Lena e a Brisa, e anunciou o início dos trabalhos em Junho, de forma a que tudo esteja concluído em Fevereiro de 2012.

Sócrates destacou, por outro lado, que as vias previstas na concessão vão fazer-se "contra ventos e marés". "Há quem naturalmente preferisse que esperássemos mais 15 anos para as fazer. Mas isso seria um erro", disse, lembrando que as vias "já foram prometidas há muito tempo e a região há muito tempo que as espera".

"Só quem não conhece a região é que se atreve a pensar que a região iria esperar mais 10, 15 anos para ter acesso a infra-estruturas rodoviárias", declarou o chefe do Governo, considerando o investimento necessário para uma "economia moderna".

Já Mário Lino apontou as vantagens do investimento, que passa pela melhoria da mobilidade em nove concelhos. "Estamos a melhorar as condições de vida de cerca de 400 mil portugueses", destacou, acrescentando que o investimento vai permitir tirar dez mil veículos por dia da cidade de Leiria, reduzir tempos de viagem e diminuir a sinistralidade.

ver mais vídeos