Acidente

"Um grande susto". Paulo Sande aponta cansaço como causa do despiste na A1

"Um grande susto". Paulo Sande aponta cansaço como causa do despiste na A1

O cabeça de lista do Aliança às eleições europeias, Paulo Sande, já saiu dos Hospitais da Universidade de Coimbra, onde deu entrada na sequência de um despiste na A1, tendo admitido o cansaço como uma possível causa.

O líder do partido, Pedro Santana Lopes, e o cabeça de lista às europeias sofreram esta quarta-feira um acidente de viação, na autoestrada 1 (A1), quando seguiam de Coimbra para Cascais, "em ações de campanha".

Santana foi helitransportado para o Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), depois de ter sido desencarcerado, enquanto Paulo Sande seguiu de ambulância. O acidente ocorreu pouco antes das 17.30 horas, ao quilómetro 136 da A1 (no sentido norte-sul), na zona de Leiria. A autoestrada esteve cortada ao trânsito nos dois sentidos durante uma hora e meia, para o helicóptero aterrar e levantar.

À saída do hospital e com a camisa manchada de sangue, Paulo Sande disse aos jornalistas, pelas 22.15 horas, que ele e Santana Lopes estiveram "a fazer exames".

"Despistaram tudo o possível e, aparentemente, está tudo bem", afirmou, notando que "no final disto tudo, não passou de um grande susto".

Apesar de o candidato ter tido alta, "Pedro Santana Lopes continua no hospital", uma vez que, segundo Paulo Sande, "está mais dorido", mas o cabeça de lista espera que o líder do partido "também saia ainda hoje".

Questionado sobre o que terá provocado o acidente, o candidato a eurodeputado admitiu que possa "ter sido fadiga".

"Hoje levantámo-nos às 5 horas nos Açores [6 horas em Portugal continental], e depois o dia inteiro de grande pressão que temos, sobretudo na sequência de muitos dias em que isto está a ser feito, este tipo de vida, este ritmo, esta pressão, acaba por gastar as pessoas, e é normal que tenha havido [fadiga], é possível, mas não sei", salientou.

Imobusiness