"Nós vamos por si!"

Junta de freguesia de Pombal leva compras a casa de idosos

Junta de freguesia de Pombal leva compras a casa de idosos

"Nós vamos por si!" foi o projeto criado pelo executivo liderado por Virgílio Lopes, para proteger a população com mais de 60 anos e os doentes crónicos do coronavírus.

A junta de freguesia das Meirinhas, em Pombal, constituiu um grupo de dez voluntários, que terá como missão comprar os bens de que necessitam as pessoas com mais de 60 anos e com doenças crónicas, para não terem de sair de casa, devido ao coronavírus. O projeto "Nós vamos por si!" foi divulgado esta sexta-feira nas redes sociais e a população alvo foi informada, por telefone, durante a manhã deste sábado.

Empenhado em contribuir para que não haja nenhum infetado nas Meirinhas, o presidente da Junta, Virgílio Lopes, 62 anos, explica que o projeto pretende apoiar, acima de tudo, os 160 idosos e doentes crónicos, identificados pelo Centro Social. Contudo, garante que não negarão apoio a outras pessoas da população local, constituída por cerca de 1800 habitantes.

"Ninguém fica de fora. Estamos disponíveis para ajudar quem precisa", garante Virgílio Lopes. "É o mínimo que a gente pode fazer para manter a nossa freguesia com zero infetados", justifica. Para tal, os munícipes têm apenas de ligar para o número 963 161 940, entre segunda e sexta-feira, das 9 às 17 horas. A equipa de voluntários da Junta das Meirinhas faz as compras indicadas e leva-as a casa dessas pessoas.

Supermercado, farmácia, correios, talho, farmácia agrícola, restaurante e até pão são os exemplos deixados no cartaz informativo divulgado no Facebook. "Nós vamos por si! Não saia de casa! Proteja-se a si, a mim e a todos nós" são os apelos deixados pela Junta de Freguesia.

O contacto estabelecido durante a manhã deste sábado pelos voluntários, por telefone, permitiu a Virgílio Lopes constatar que os munícipes estão informados. "As pessoas estão precavidas. Sabem que têm de lavar as mãos e manter a distância umas entre as outras", explica. Manifesta-se, contudo, preocupado por existirem muitas empresas de transporte internacional na freguesia.

"Existem cerca de 700 camiões e metade faz serviço internacional. Grande parte da população é motorista e atravessa Espanha, Itália, Alemanha", exemplifica o autarca. "São focos de transmissão, pelo que a freguesia das Meirinhas é de risco elevado", afirma. Contudo, garante que "as empresas de transporte estão a fazer o controlo e a desinfeção dos veículos".

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG