Alcoentre

Reclusos de Vale de Judeus recusam refeição depois de incidente

Reclusos de Vale de Judeus recusam refeição depois de incidente

Um grupo de reclusos do Estabelecimento Prisional de Vale de Judeus, em Alcoentre, distrito de Lisboa, recusou hoje tomar o pequeno-almoço depois de um incidente entre um prisioneiro e guardas que obrigou ao uso de "meios coercivos".

Em resposta à agência Lusa, a Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP) explicou que o incidente em causa ocorreu ao final do dia de terça-feira, quando um recluso "resistiu à ordem de encerramento, tendo insultado e ameaçado os elementos da guarda prisional presentes".

Consequentemente, adianta a DGRSP, o recluso foi mandado para uma cela de separação, onde iria permanecer "enquanto decorre o competente processo disciplinar".

"Mais uma vez, o recluso resistiu ao cumprimento das ordens e tentou agredir um elemento da guarda prisional, tendo sido necessária a utilização de meios coercivos", diz a DGRSP, negando que tenha havido "qualquer espancamento".

Acrescenta que o recluso foi observado nos serviços clínicos da prisão, tal "como decorre do regulamento de utilização de meios coercivos", tendo-lhe sido diagnosticado "um ligeiro hematoma na perna direita".

"Na sequência desta ocorrência, esta manhã, os reclusos do pavilhão D, pacificamente, não tomaram o pequeno almoço, exigindo ir visitar o recluso que se encontra em cela de separação", refere a DGRSP, sublinhando que todos os reclusos dos outros três pavilhões do estabelecimento prisional tomaram o pequeno-almoço normalmente.

A DGRSP diz ainda que está a acompanhar esta ocorrência "por forma a ser garantida a ordem e a segurança, bem como o normal desenvolvimento das atividades do estabelecimento prisional".