GNR

Caçador arguido por manter cães sem condições de saúde e higiene

Paulo Lourenço

Cães apresentavam sinais de má nutrição e ferimentos em alguns casos|

 foto IRA - Intervenção e Resgate Animal

Cães apresentavam sinais de má nutrição e ferimentos em alguns casos|

 foto IRA - Intervenção e Resgate Animal

Cães apresentavam sinais de má nutrição e ferimentos em alguns casos|

 foto IRA - Intervenção e Resgate Animal

Um caçador, residente no Cadaval, foi constituído arguido na sequência de uma ação de fiscalização levada a cabo pela GNR, Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, que contou com o apoio o IRA - Intervenção e Resgate Animal, que resultou na apreensão de 43 cães que viviam em péssimas condições de higiene e muitos estavam doentes.

De acordo com o relato do IRA - Intervenção e Resgate Animal, na sua página oficial da rede social Facebook, a intervenção decorreu no dia 15 de setembro e levou à fiscalização de cerca de uma centena de animais.

Da operação resultou assim o resgate/apreensão de 43 animais, 13 dos quais ainda bebés (alguns com dias, outros com semanas de vida), um cão internado com ferimentos graves e vários "malnutridos, doentes, com ferimentos ligeiros ou altamente parasitados", segundo aquela organização.

Alguns animais foram alojados temporariamente em associações locais e as ninhadas foram transportadas para a maternidade do IRA. Já os que apresentavam ferimentos graves foram transportados para Hospital Veterinário.

O IRA foi nomeado fiel depositário e os animais passam a ser responsabilidade daquela instituição.

A GNR constituiu arguido o detentor dos animais, serão levantados todos os autos de contraordenação e o mesmo será presente a tribunal.