PJ investiga

Câmara de Cascais recusa especular sobre origem do incêndio

Câmara de Cascais recusa especular sobre origem do incêndio

O presidente da Câmara Municipal de Cascais, Carlos Carreiras, recusou especular sobre a origem do incêndio que deflagrou no sábado à noite na serra de Sintra, adiantando que as autoridades já se encontram a investigar.

"Sabemos que já estão os meios judiciários no terreno, de investigação, portanto vamos aguardar que eles cheguem às suas próprias conclusões. Até lá, não vale a pena nós estarmos a lançar alguma ideia que seja pura especulação", afirmou o autarca no ponto de situação feito nos Paços do Concelho de Cascais.

Na opinião do presidente da Câmara, "tudo o que se possa dizer por enquanto é pura especulação".

Carreiras relatou, também, que tem "ouvido por parte das populações um conjunto de apreensões em relação a essa matéria", referindo que a autarquia está atenta, e que "as autoridades já vinham a acompanhar a situação, e continuarão a fazer as averiguações que são necessárias fazer".

O autarca referiu que, "obviamente, as autoridades estão atentas e estão atuantes, até porque no dia de ontem [sábado] não foi apenas uma ignição, foram duas ignições - uma que foi rapidamente debelada, e esta, e na semana foi a terceira".

O presidente da Câmara explicou aos jornalistas que a primeira ignição aconteceu ao "final da tarde, meio da tarde" numa "zona completamente diferente de onde esta nasceu", e que, "de facto, estas ignições não são nos mesmos locais".

"Aliás, esta nasce não no concelho de Cascais, embora o concelho de Cascais seja a área que mais ardeu", precisou.

Perante acusações de populares de falta de limpeza dos terrenos no Parque Natural de Sintra-Cascais, o autarca negou. "É compreensível que naquela situação que todos estávamos a viver, com a preocupação dos cidadãos com os seus bens, com a sua própria integridade física, que pudessem surgir esse tipo de manifestações", relatou, apontando que o município tem vindo a prevenir "estes acontecimentos no inverno".

O líder do executivo municipal de Cascais destacou que "a serra apresentou-se limpa", e sublinhou que, "de outra forma, teria sido pior, nomeadamente na entrada para as zonas florestais".

"Foi feito um trabalho exaustivo, como já vinha sendo feito, no sentido de limpeza dos vários terrenos, sejam eles do Estado central, sejam eles particulares, e nesse sentido a serra, se não tivesse sido feito esse trabalho, certamente hoje estaríamos a falar em situações mais complicadas", salientou, acrescentando que "o trabalho que tem vindo a ser feito tem vindo a demonstrar que resulta".

Carreiras apontou ainda que estão a circular imagens nas redes sociais "que não são do local". "Mas isso, enfim, não podemos fazer nada", comentou.

O incêndio deflagrou no sábado, pelas 22.50 horas, na Peninha, na serra de Sintra, distrito de Lisboa, e alastrou depois ao concelho de Cascais. Foi dominado pelas 12 horas deste domingo.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG