Lisboa

24 famílias realojadas em casas novas no Bairro Padre Cruz

24 famílias realojadas em casas novas no Bairro Padre Cruz

Vinte e quatro famílias receberam, na quinta-feira à tarde, uma casa nova, no Bairro Padre Cruz, em Lisboa.

Esta é a segunda fase do processo de realojamento dos moradores deste bairro social, em Carnide, que vivem em casas de alvenaria, situadas ao lado das novas habitações agora entregues. Até junho de 2020, serão construídas "mais 76 casas num lote de apartamentos idêntico ao de hoje", avançou a vereadora da Habitação na Câmara de Lisboa, Paula Marques.

A ideia é retirar os moradores destas casas, construídas nos anos 60 para serem provisórias, e realojá-los em novas habitações no mesmo bairro onde sempre viveram.

Ao todo, no Bairro Padre Cruz, já foram entregues habitações a 167 famílias no âmbito deste projeto de realojamento e demolidas quase 300 casas de alvenaria.

No prédio onde foram entregues 24 apartamentos, já estão concluídas mais 24 frações, num total de 48, que serão entregues ao longo do próximo ano. Integrado neste processo de realojamento, há ainda um outro projeto neste bairro - o quarteirão piloto das unidades unifamiliares - através do qual já foram entregues vinte casas.

O projeto de construção, pioneiro no Bairro Padre Cruz, também já foi implementado no Bairro da Boavista e está a ser no Bairro da Cruz Vermelha, onde estão a ser construídas 130 novas casas. O modelo de construção é inovador e reconhecido internacionalmente pelas soluções inteligentes, como sistemas de reaproveitamento de águas pluviais, painéis solares e hortas.

O presidente da Junta de Freguesia de Carnide, Fábio Sousa, que tem acompanhado todo o processo, diz que "houve um impulso muito grande na reabilitação do Bairro Padre Cruz". "Temos de continuar porque estamos a falar de pessoas que vivem em condições muito precárias, com várias infiltrações em casa e ainda com telhados de amianto", exemplificou.

O autarca elogia ainda a "humanização de todo o processo de realojamento". "Não houve um desenraizamento das pessoas, continuaram a viver no seu bairro. Acompanhamos muito as pessoas na mudança de casa, ensinando-as a ligar a água e a luz ou a explicar como funcionam os painéis solares, por exemplo", explicou.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG