Lisboa

Apesar das restrições, restaurantes de Alfama cheios em noite de Santo António

Restaurantes cheios em Alfama|

 foto André Luís Alves / Global Imagens

Ruas de Alfama em noite de Santo António|

 foto André Luís Alves / Global Imagens

Ruas de Alfama em noite de Santo António|

 foto André Luís Alves / Global Imagens

Ruas de Alfama em noite de Santo António|

 foto André Luís Alves / Global Imagens

Ruas de Alfama em noite de Santo António|

 foto André Luís Alves / Global Imagens

Ruas de Alfama em noite de Santo António|

 foto André Luís Alves / Global Imagens

Noite de Santo António sem arraiais: Jovens a beber na rua e polícia a garantir fecho dos restaurantes|

 foto André Luís Alves/Global Imagens

Noite de Santo António sem arraiais: Jovens a beber na rua e polícia a garantir fecho dos restaurantes|

 foto André Luís Alves/Global Imagens

Noite de Santo António sem arraiais: Jovens a beber na rua e polícia a garantir fecho dos restaurantes|

 foto André Luís Alves/Global Imagens

Noite de Santo António sem arraiais: Jovens a beber na rua e polícia a garantir fecho dos restaurantes|

 foto André Luís Alves/Global Imagens

Em Alfama, este sábado, vários restaurantes encheram e faziam-se filas para jantar. Sem fogareiros nem música popular, apenas o fado ecoava nas ruas do bairro típico lisboeta, escolhido por muitos para celebrarem o Santo António.

Adelaide Oliveira, 70 anos, mora nos Olivais mas festeja sempre o Santo António em Alfama. "Estou há meia hora na fila mas não podia deixar de festejar. Venho sempre a este restaurante", diz quase a ser atendida, no início de uma fila com mais de 20 pessoas.

Vários restaurantes tinham mesas cheias para a noite de Santo António, e os que optaram por não receber reservas não tiveram falta de clientes. Até Carlos Moedas, candidato à Câmara de Lisboa pelo PSD, aproveitou a noite para fazer campanha e oferecer manjericos.

"Podíamos ter tido arraiais e Santo António se não fosse a falta de planeamento e gestão da Câmara de Lisboa", criticou ao JN antes de começar a jantar com a comitiva.

Venda de manjericos acima da perspetiva dos vendedores

Foto: André Luís Alves / Global Imagens

Lino Ramos, dono da Esquina de Alfama, que tinha o restaurante cheio, lamentou o encerramento dos estabelecimentos às 22.30 horas. "Acho que Lisboa foi discriminada relativamente ao Porto, que vai festejar o São João. As pessoas vão beber e festejar na mesma, não é por fechar uma hora mais cedo que não o farão".

Os vendedores de manjericos sentiram mais afluência do que estavam à espera. "Já vendemos 200 manjericos. Compramos a medo e se calhar já não vamos ter suficientes para amanhã [domingo]. Não cheira a sardinhas mas já se sente um bocadinho do Santo António", disse Jorge Silva, vendedor.

No Bairro Alto, o movimento era maior. Vários jovens saíram para conviver, mas segundo comerciantes "tem estado sempre assim aos fins de semana".

"A nós multam-nos se não fecharmos às 22.30 horas mas quem anda de copo na mão não é multado", criticou um dono de restaurante do Bairro Alto, que preferiu não ser identificado.

A polícia esteve visivelmente presente devido às restrições que impediram os tradicionais festejos e arraiais de Santo António. Quando os restaurantes fecharam, os agentes desmobilizaram as centenas de pessoas que ficaram pelas ruas de Alfama, do Bairro Alto e da Graça. Pela 1.30 horas, reinava a calma nestes bairros.

Jovens no Bairro Alto, à semelhança do que tem acontecido aos fins de semana

 foto André Luís Alves / Global Imagens

Jovens no Bairro Alto, à semelhança do que tem acontecido aos fins de semana

 foto André Luís Alves / Global Imagens

Jovens no Bairro Alto, à semelhança do que tem acontecido aos fins de semana

 foto André Luís Alves / Global Imagens

Jovens no Bairro Alto, à semelhança do que tem acontecido aos fins de semana

 foto André Luís Alves / Global Imagens

Jovens no Bairro Alto, à semelhança do que tem acontecido aos fins de semana

 foto André Luís Alves / Global Imagens

Jovens no Bairro Alto, à semelhança do que tem acontecido aos fins de semana

 foto André Luís Alves / Global Imagens

Jovens no Bairro Alto, à semelhança do que tem acontecido aos fins de semana

 foto André Luís Alves / Global Imagens

Jovens no Bairro Alto, à semelhança do que tem acontecido aos fins de semana

 foto André Luís Alves / Global Imagens

Jovens no Bairro Alto, à semelhança do que tem acontecido aos fins de semana

 foto André Luís Alves / Global Imagens

Jovens no Bairro Alto, à semelhança do que tem acontecido aos fins de semana

 foto André Luís Alves / Global Imagens

Alfama sem os tradicionais arraiais de Santo António

 foto André Luís Alves / Global Imagens

Alfama sem os tradicionais arraiais de Santo António

 foto André Luís Alves / Global Imagens

Alfama sem os tradicionais arraiais de Santo António

 foto André Luís Alves / Global Imagens

Alfama sem os tradicionais arraiais de Santo António

 foto André Luís Alves / Global Imagens

Alfama sem os tradicionais arraiais de Santo António

 foto André Luís Alves / Global Imagens

Alfama sem os tradicionais arraiais de Santo António

 foto André Luís Alves / Global Imagens

Alfama sem os tradicionais arraiais de Santo António

 foto André Luís Alves / Global Imagens

Alfama sem os tradicionais arraiais de Santo António

 foto André Luís Alves / Global Imagens

Alfama sem os tradicionais arraiais de Santo António

 foto André Luís Alves / Global Imagens

Alfama sem os tradicionais arraiais de Santo António

 foto André Luís Alves / Global Imagens

Alfama sem os tradicionais arraiais de Santo António

 foto André Luís Alves / Global Imagens

Alfama sem os tradicionais arraiais de Santo António

 foto André Luís Alves / Global Imagens

Relacionadas