Lisboa

António Costa mudou gabinete para o Intendente

António Costa mudou gabinete para o Intendente

O presidente da Câmara de Lisboa está já a trabalhar no novo gabinete do Largo do Intendente, num edifício reabilitado para incentivar a requalificação da zona e cujo arrendamento, de 5600 euros mensais, está pago por dez anos.

Esta sexta-feira, numa visita guiada ao imóvel, que integra a antiga fábrica de cerâmicas Viúva Lamego, António Costa (PS) explicou que, para "reduzir custos" foi negociado com o proprietário um pagamento antecipado que já contemplasse as obras que foram necessárias.

Cada um dos 700 metros quadrados do edifício de três pisos custa oito euros, o que, numa década, representa 672 mil euros.

O autarca só prevê, no entanto, permanecer no Intendente cerca de dois anos, período que espera ser necessário para quebrar o "ciclo vicioso" que a prostituição, a toxicodependência e a degradação dos prédios instituíram.

"Mais do que presença policial, o que dá segurança aos territórios é a sua ocupação pelas pessoas. A forma de transformar é dar confiança e segurança para que estes prédios devolutos passem a estar habitados com actividades económicas e pessoas que criem uma economia própria", explicou junto ao novo gabinete, que resultou de uma "intervenção minimalista" projectada por um arquitecto da câmara.

O objectivo foi criar espaços abertos ou com divisórias amovíveis que permitam outras ocupações no futuro.

Os trabalhos de recuperação do imóvel, que tinha até tectos a cair, incluíram também uma intervenção dos calceteiros do município para fazer um painel único à entrada.

PUB

Esperançado em conseguir "dar a volta" ao Largo do Intendente, António Costa sente que esta é uma "grande responsabilidade", tendo em conta as expectativas geradas na zona.

"As pessoas estão muito satisfeitas. Vi na televisão que algumas ficaram menos contentes por anteciparem uma redução da actividade a que se têm dedicado, mas esse é um dos objectivos deste processo de regeneração do Intendente e da Mouraria", disse, acrescentando que a mudança não será "de hoje para amanhã".

O trabalho mais difícil, apontou, será o desenvolvimento social, pelo que o município está a finalizar um plano com esse objectivo e que contou com 40 entidades da Mouraria e envolvente.

O projecto de recuperação física da Mouraria, de 7,5 milhões de euros e 40 por cento de financiamento comunitário, está também concluído e os concursos serão lançados em breve, prevendo-se a adjudicação em Setembro ou Outubro.

O Largo do Intendente vai ser quase todo "pedonalizado", ganhar esplanadas e mais árvores e os pisos térreos serão disponibilizados para comércio.

"Era mais fácil resolver isto com uma operação de limpeza securitária, por isso temos um plano para evitar uma mera deslocalização [dos problemas] e encaminhar as pessoas que estão na toxicodependência e na prostituição. Não se trata de empurrar excluindo, trata-se de intervir para incluir e integrar", afirmou António Costa.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG