O Jogo ao Vivo

Lisboa

Autarquia quer investir mais 3,2 milhões de euros em testes até final do ano

Autarquia quer investir mais 3,2 milhões de euros em testes até final do ano

A Câmara de Lisboa pretende investir mais 3,225 milhões de euros na aquisição de serviços de testagem à covid-19 por farmácias aderentes do concelho, até ao final do ano, segundo uma proposta que vai ser discutida na sexta-feira.

No âmbito da Estratégia Nacional de Testes para SARS-CoV-2, da Direção-Geral da Saúde (DGS), a Câmara de Lisboa decidiu, em 31 de março deste ano, no anterior mandato, presidido pelo socialista Fernando Medina, contratar a aquisição de serviços de testagem por farmácias aderentes do concelho associadas da Associação Nacional das Farmácias (ANF) à empresa Farminveste - Investimentos, Participações e Gestão, S.A., mas, atendendo ao elevado número de testes realizados, "o valor da referida contratação encontra-se esgotado".

Esta informação foi transmitida, através de despacho assinado em 24 de setembro - antes das eleições autárquicas de 26 de setembro -, pelo então vice-presidente da Câmara de Lisboa, João Paulo Saraiva (PS), e transcrita agora na proposta do atual vice-presidente, Filipe Anacoreta Correia (CDS-PP).

"Perspetivando-se que a testagem para a SARS-CoV-2 se manterá nos próximos meses, é urgente assegurar um novo procedimento que dê continuidade ao primeiro contrato e, por conseguinte, permita que a testagem para a SARS-CoV-2 por farmácias aderentes do concelho de Lisboa associadas da ANF no âmbito da prossecução dos objetivos da Norma 019/2020 da Direção-Geral da Saúde (DGS) -- Estratégia Nacional de Testes para SARS-CoV-2 continue a ser efetuada pela empresa Farminveste -- Investimentos, Participações e Gestão, S.A.", lê-se na proposta, que consta da ordem de trabalhos da próxima reunião de câmara, que será a primeira sessão pública deste executivo camarário 2021-2025.

A iniciativa refere ainda que, "atendendo a que a interrupção dos referidos serviços prejudicaria grandemente o diagnóstico precoce das linhas de contágios e a contenção da propagação do SARS-CoV-2, esta contratação deverá retroagir ao dia 1 de setembro de 2021".

Para a contratualização, que será feita por ajuste direto, "na medida do estritamente necessário e por motivos de urgência imperiosa", uma vez que há a necessidade de contratar, "com a máxima celeridade", a aquisição de serviços de testagem, a Câmara de Lisboa quer convidar a Farminveste - Investimentos, Participações e Gestão, S.A., que se encontra já inscrita como fornecedor do município.

No protocolo entre o município de Lisboa, a ANF e a Farminveste -- Investimentos, Participações e Gestão, S.A., assinado em março, foi definida a remuneração de 15 euros por cada teste rápido de antigénio (TRAg) para SARS-CoV-2, valor que "poderá ser ajustado para um valor inferior ao inicialmente contratado", caso venha a verificar-se que o seu preço de mercado sofre redução.

PUB

No protocolo não há indicação de verba limite, mas a proposta de caderno de encargos refere que a Câmara se compromete a pagar "o preço constante da proposta adjudicada, de acordo com os serviços efetivamente prestados e confirmados pelo gestor do contrato e até ao limite do preço contratual, que é coincidente com o preço base, no montante de três milhões e 225 mil euros".

Segundo informação do município, o plano municipal de testagem à covid-19, que se iniciou em 31 de março, realizou 602.550 testes até à semana de 17 de outubro.

No anúncio da medida de testagem gratuita em Lisboa, em 19 de março, o então presidente da Câmara de Lisboa, o socialista Fernando Medina, disse que era "difícil dar um número exato" do investimento do município neste plano de testagem, uma vez que depende do número de testes e da duração do programa, mas avançou que a primeira estimativa rondava "cerca de 15 milhões de euros".

Em novembro, o novo executivo camarário, presidido por Carlos Moedas (PSD), informou que o plano de testagem gratuita e ilimitada à covid-19 em Lisboa foi prolongado até ao final do ano, lembrando que o programa é aberto a toda a população, seja ou não residente na capital.

"O plano municipal de testagem, previsto até final de outubro, foi prolongado pelo novo executivo até final do ano", lê-se no site da Câmara de Lisboa.

O programa de testagem à covid-19 em Lisboa foi implementado pelo anterior executivo municipal, sob a presidência do socialista Fernando Medina, que falhou a reeleição ao cargo nas autárquicas de 26 de setembro.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG