O Jogo ao Vivo

Mobilidade

Câmara de Lisboa ajuda na compra de bicicletas

Câmara de Lisboa ajuda na compra de bicicletas

Autarquia vai comparticipar até metade do valor dos velocípedes a moradores da capital. Tem 3 milhões de euros disponíveis para este apoio.

Qualquer residente em Lisboa, que compre uma bicicleta numa loja da cidade, poderá receber até metade do valor do veículo. A Câmara de Lisboa vai financiar até 100 euros bicicletas convencionais adquiridas por estudantes do segundo ciclo ao ensino superior de qualquer escola da cidade.

Moradores da capital podem receber até 350 euros para bicicletas elétricas e até 500 euros para elétricas de carga. A autarquia tem 3 milhões de euros para ajudar na compra dos velocípedes.

"Quem adquirir bicicletas hoje já está elegível a concorrer a este programa de incentivos e, por isso, recomendo que guardem as faturas e não adiem as compras", desafiou o presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, na tarde desta quarta-feira, na apresentação de várias medidas de incentivo a uma mobilidade menos dependente do carro. A compra pode ser feita em qualquer loja de venda de bicicletas que adira à iniciativa da autarquia. Basta depois apresentar um comprovativo da compra à Câmara, que reembolsará parte do valor da bicicleta.

Mais 7750 lugares

A autarquia vai criar mais 1050 lugares de estacionamento gratuitos para bicicletas nos parques subterrâneos da Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa (EMEL) ou em parques concessionadas pelo município.

Na via pública, junto das principais paragens e estações de transportes públicos, surgirão mais 1700 lugares e prevê-se ainda a criação de outros 5000 em todas as escolas, clubes desportivos e outras instituições de interesse público que o solicitem. Estes lugares estarão disponíveis entre setembro e o final do ano.

A rede de ciclovias da cidade crescerá de 105 para mais de 200 quilómetros até março de 2021. "Queremos criar uma rede estruturante de ciclovias nas imediações das escolas.

Começa a ganhar corpo o projeto que ligará a zona ribeirinha ao centro e à maior zona residencial da cidade, a freguesia do Lumiar", frisou Medina.