Lisboa

Duzentos sem abrigo vão trabalhar para a Câmara de Lisboa

Duzentos sem abrigo vão trabalhar para a Câmara de Lisboa

Município abre bolsa de emprego com vagas distribuídas pelos departamentos e empresas municipais.

As pessoas em situação de sem-abrigo na capital vão poder trabalhar em alguns departamentos da Câmara Municipal de Lisboa (CML) e em empresas municipais em breve. A autarquia vai criar 200 vagas de emprego para jardineiros, varredores de rua, mecânicos, assistentes operacionais, desenhadores, entre outras profissões, nos departamentos de higiene urbana, arquitectura, urbanismo e outros.

O presidente da CML, Fernando Medina, anunciou a bolsa de emprego público municipal esta manhã, na apresentação do Programa Municipal para a Pessoa em Situação de Sem Abrigo. O plano vai decorrer entre 2019 e 2023 e destina-se às 361 pessoas sem teto e 1967 pessoas sem casa (a viverem em alojamento temporário) em Lisboa.

Neste momento, está a ser feito um levantamento em todos os departamentos da CML para se identificarem "as áreas e as empresas" - como a Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural (EGEAC), a empresa de transportes públicos Carris, a Sociedade de Reabilitação Urbana (SRU), entre outras - "onde poderão trabalhar dependendo das qualificações de cada um", clarificou ao JN o vereador dos Direitos Sociais, Manuel Grilo.

"Entre os sem abrigo há pessoas com muitas capacidades e qualificações elevadas. Não podemos achar que são exclusivamente pessoas com baixas qualificações. Estive há pouco tempo com um que já foi assistente social", lembrou.

Fernando Medina explicou que nem todos ficarão a trabalhar na autarquia, até porque a ideia é reinserir todos no mercado de trabalho. "Quando saírem daqui já estarão num patamar diferente e já se apresentarão no mercado de trabalho não como uma pessoa em situação de sem abrigo, mas como alguém que trabalhou recentemente na câmara", explicou.

Este é um dos maiores investimentos já feito a nível local na resposta a pessoas sem abrigo. A autarquia tem 14,5 milhões de euros para pôr em prática várias medidas durante os próximos quatro anos, "num esforço financeiro sem precedentes", sublinhou Medina.

Outras respostas

Entre as metas, estão a criação de mais 100 Núcleos de Apoio Local (além dos seis existentes), a criação de 127 novas vagas nos Centros de Acolhimento de Emergência (agora existem 185), mais respostas na área da saúde mental e o alargamento do programa de saúde oral gratuito da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa a sem abrigo.

A Ministra do Trabalho, Ana Mendes Godinho, que esteve presente na apresentação do plano, anunciou ainda que o Governo vai implementar uma plataforma eletrónica para monitorização e acompanhamento das pessoas em situação de sem abrigo, segundo a proposta de Orçamento de Estado para 2020, entregue hoje no parlamento.

"Os sem abrigo têm tido a capacidade de nos abanar e mostrar que o sistema é para todos. Temos de estar abertos a arriscar algumas soluções com projetos inovadores porque já percebemos que algumas das respostas sociais não funcionam", disse Ana Mendes Godinho.

Câmara quer dar casas antes de reinserir

Garantir um teto aos sem abrigo antes de ajudá-los na recuperação em situações de dependência de drogas, alcoolismo ou doenças mentais, é uma das grandes prioridades do plano para sem abrigo.

"A ideia é começar a reinserção através da casa. A libertação das dependências deve ser um objetivo, mas não devemos começar por aí. Se começarmos por dar os instrumentos que as pessoas precisam, conseguiremos mais facilmente dar-lhes o resto com melhores resultados", explicou Fernando Medina.

Tal como o JN noticiou há quase um mês, os sem abrigo terão mais 400 casas, além das 80 existentes, no âmbito do programa Housing First - projeto através do qual os sem abrigo são integrados em habitações - até 2023. Já está aberto um concurso para que as associações que trabalham nesta área possam candidatar-se às primeiras 100 casas.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG