Lisboa

Fogo destruiu pastas no escritório de Júdice

Fogo destruiu pastas no escritório de Júdice

O incêndio que deflagrou, na tarde deste domingo, no escritório da sociedade de advogados PLMJ - A.M. Pereira, Sáragga Leal, Oliveira Martins, Júdice e Associados ( da qual é sócio José Miguel Júdice), na Avenida da Liberdade, em Lisboa, provocou a destruição de algumas pastas, documentos e livros.

O foco das chamas teve origem num pequeno frigobar, instalado num armário existente num dos gabinetes de um dos vários causídicos da sociedade.

De acordo com o sub-chefe do Regimento de Sapadores Bombeiros (RSB) de Lisboa, David Silva, o alerta foi desencadeado pelo sistema de detecção de incêndios do edifício, onde esta instalada - no quinto piso - a sede da PLMJ.

"O incêndio ficou circunscrito somente a um gabinete, onde se encontrava o pequeno frigorífico, encaixado num armário", descreveu o responsável.

Além da enorme quantidade de fumo, as chamas consumiram ainda alcatifas e aquele electrodoméstico. O fogo foi dado como extinto às 17.30 horas. Todavia, devido à nuvem de cinzas, o RSB teve de instalar no espaço ventiladores para que o espaço possa ser usado ainda este domingo.

Ao JN, a assessoria de imprensa da PLMJ referiu que se "tratou de um pequeno foco de incêndio num gabinete, que não causou danos para o normal funcionamento do escritório".

Durante o combate às chamas, que mobilizou cinco veículos do Regimento de Sapadores Bombeiros, entre eles, uma auto-escada, alguns profissionais da PLMJ mantiveram-se no exterior, com alguns equipamentos de trabalho.

Outros Artigos Recomendados