Paralisação

Greve dos trabalhadores encerrou Metro de Lisboa às 23 horas de quarta-feira

Greve dos trabalhadores encerrou Metro de Lisboa às 23 horas de quarta-feira

O Metropolitano de Lisboa encontra-se encerrado desde as 23 horas desta quarta-feira, confirmou à Lusa a empresa, marcando assim o início de uma greve dos trabalhadores de 24 horas para contestar o congelamento salarial e para reivindicar progressões na carreira.

O Metropolitano de Lisboa (ML) opera com quatro linhas: Amarela (Rato-Odivelas), Verde (Telheiras-Cais do Sodré), Azul (Reboleira-Santa Apolónia) e Vermelha (Aeroporto-São Sebastião), das 6.30 à 1 hora todos os dias.

"Serviço encerrado por motivo de greve", lê-se no site na Internet do ML.

Segundo a empresa, por causa desta greve "para a generalidade dos trabalhadores", o Metropolitano de Lisboa só deverá reabrir às 6.30 de sexta-feira.

"Caso sejam decretados os serviços mínimos com circulação de comboios", a empresa "avaliará se terá condições operacionais" para reabrir o serviço entre a meia-noite e a 1 hora de sexta-feira, informou o Metropolitano de Lisboa, num comunicado.

Esta é a segunda greve no Metropolitano de Lisboa esta semana, depois de na terça-feira ter havido uma paralisação parcial entre as 5 e as 9.30, com a circulação de comboios a começar cerca das 10 horas.

Em 26 e 28 de outubro, os trabalhadores do Metropolitano de Lisboa já tinham feito greves parciais semelhantes à de terça-feira, com as estações a manterem-se fechadas até depois das 10.

PUB

Segundo a empresa, nestas greves parciais, a adesão global ao protesto situou-se entre os 42,62% e os 46,26%, enquanto a federação de sindicatos que representa os trabalhadores (FECTRANS, Federação dos Sindicatos dos Transportes e Comunicações) afirmou que a adesão foi "elevada", sem adiantar números.

Os trabalhadores já fizeram greves parciais em maio e junho, tendo em conta as mesmas reivindicações apresentadas para a nova paralisação.

Na origem das paralisações está o protesto contra o congelamento salarial e a luta pela aplicação de todos os compromissos assumidos pelo Ministério do Ambiente e da Ação Climática, em que se inclui a prorrogação do Acordo de Empresa, pelo preenchimento imediato do quadro operacional e pelas progressões na carreira.

Na semana passada, a transportadora referiu em comunicado que se encontra "recetiva à discussão das propostas apresentadas pelas entidades sindicais, sendo as mesmas objeto de negociação".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG