Sondagem

Medina vence em Lisboa e Cristas passa o PSD

Medina vence em Lisboa e Cristas passa o PSD

O PS voltará a vencer as eleições para a Câmara de Lisboa (41%), mas não é certo que consiga a maioria absoluta. De acordo com uma sondagem da Universidade Católica para o JN, o CDS (17%) consegue o segundo lugar, ultrapassando o PSD (16%).

Sondagens não são resultados eleitorais, mas é possível apontar algumas tendências. E já é seguro que o vencedor será o PS, ainda que, até ver, Fernando Medina perca 11 pontos percentuais relativamente a António Costa, em 2013. A projeção da Católica dá-lhe entre 7 e 9 vereadores, sendo oito suficientes para lhe assegurar uma maioria.

A grande novidade é a possibilidade de Assunção Cristas e o CDS ultrapassarem Teresa Leal Coelho e o PSD. Note-se que a margem de erro é de 3,5% e, portanto, que o ponto que separa as duas candidatas corresponde a um empate técnico. A Direita considerada em conjunto cresce significativamente (mais 11 pontos percentuais que em 2013).

Mais à Esquerda, há empate, mas tendências contrárias: João Ferreira e a CDU, a confirmar-se a previsão, estão em queda, e podem perder um dos seus vereadores; Ricardo Robles e o BE estão a subir e têm um lugar quase garantido no Executivo, podendo sonhar com a ultrapassagem aos comunistas.

Projeções, em qualquer dos casos, que devem ser lidos com cautela. Como salientam os especialistas da Universidade Católica, além de faltarem duas semanas para as eleições (a recolha, com voto em urna, foi feita no sábado passado), houve uma taxa de participação mais baixa do que o habitual; há muitos indecisos (12%); e houve várias recusas de resposta. Constrangimentos que tornam as "estimativas menos precisas".

Leia mais sobre os resultados da sondagem na Edição Impressa do JN ou assine a edição e-paper.

Ficha Técnica

Esta sondagem foi realizada pelo CESOP-Universidade Católica Portuguesa para o Jornal de Notícias no dia 16 de setembro de 2017. O universo alvo é composto pelos indivíduos com 18 ou mais anos recenseados eleitoralmente e residentes no concelho de Lisboa. Foram selecionadas sete freguesias do concelho de modo a que as médias dos resultados eleitorais das eleições autárquicas de 2005, 2007, 2009 e 2013 nesse conjunto de freguesias (ponderado o número de inquéritos a realizar em cada uma) estivessem a menos de 1% dos resultados dos cinco maiores partidos ao nível do concelho. Os domicílios em cada freguesia foram selecionados por caminho aleatório e foi inquirido em cada domicílio o próximo aniversariante recenseado eleitoralmente no concelho. Foram obtidos 764 inquéritos válidos, sendo 59% dos inquiridos do sexo feminino. Todos os resultados obtidos foram depois ponderados de acordo com a distribuição de eleitores residentes no concelho por sexo, escalões etários, e freguesia na base dos dados do recenseamento eleitoral e das estimativas do INE. A taxa de resposta foi de 61%. A margem de erro máximo associado a uma amostra aleatória de 764 inquiridos é de 3,5%, com um nível de confiança de 95%.

Conteúdo Patrocinado