País

NBP decide até Fevereiro local da Cidade da Imagem

NBP decide até Fevereiro local da Cidade da Imagem

Escolhida Sintra como um dos possíveis locais para acolher a Cidade da Imagem, a NBP está a analisar outras soluções. As próximas semanas serão dedicadas a visitar terrenos em Alcochete e Vila Franca de Xira.

Dentro de 15 dias, os responsáveis da NBP esperam ter já visitado outras duas hipóteses que surgiram naqueles dois concelhos, um a Norte de Lisboa e outro na Margem Sul, onde desemboca a Ponte Vasco da Gama. Apesar de ter anunciado, há pouco mais de um mês, um protocolo de intenções estabelecido com a Câmara de Sintra, para que a Cidade da Imagem - que concentrará num só espaço toda a produção televisiva do grupo Media Capital, em Portugal - se localize em Almargem do Bispo, a empresa garante que ainda nada está decidido.

"O investimento é muito grande, por isso não vamos falar que temos a certeza que é neste ou naquele concelho. O que há em Sintra é um protocolo de intenções que nos permite ir adiantando todo o necessário de candidatar o dossiê a PIN (projecto de Potencial Interesse Nacional), até porque parte dessa área tem condicionantes [reservas ecológica e agrícola]", disse, ao JN, Bernardo Bairrão, administrador da NBP, que em Janeiro se passará a chamar Plural Entertainment.

O grande investimento daquela infra-estrutura (50 milhões de euros) leva a NBP a equacionar novas localizações: "Alcochete, porque percebemos que nunca há congestionamento na Ponte Vasco da Gama, e Vila Franca de Xira, porque ali que temos a maioria das nossas instalações", disse.

Em cima da mesa estiveram várias hipóteses, circunscritas a poucos concelhos a Norte de Lisboa, tendo em conta alguns dos critérios decisivos: uma área com cerca de 40 hectares, em que o terreno não fosse extremamente plano para não impedir a realização do corte de planos televisivos, que não estivesse a mais de 30 quilómetros de Lisboa e uma boa rede de acessos. O processo de escolha iniciou-se em Outubro de 2007.

Segundo Bernardo Bairrão, a primeira Câmara a ser contactada pela empresa, com vista a se encontrar uma área compatível com a dimensão do projecto, foi a de Vila Franca de Xira, tendo em conta que é naquele concelho que se localiza não só a sede da, ainda, NBP, como parte dos oito estúdios de produção e construção de cenários. Loures também não ficou de lado, até porque é em Bucelas (Loures) que se encontra outro pólo de produção. Seguiram-se Azambuja, Cartaxo, Alenquer, Cascais, Sintra, Oeiras e Amadora, "todos com condicionantes", frisou.

À última fase chegaram, Sintra e Cascais, cujo terreno situava-se junto ao Autódromo do Estoril. "Não há muitos concelhos que disponibilizem 40 hectares facilmente. Deste conjunto visitado, o Cartaxo tinha o terreno mais interessante que alguma vez vimos. O melhor e que serviria para aplicar o projecto, mas ficava a 50 quilómetros de Lisboa. Com muita pena", admite o gestor.

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG