País

Pavilhão de Portugal já tem projecto de utilização

Pavilhão de Portugal já tem projecto de utilização

Ideia desenvolvida por João Pinharanda prevê ocupação multidisciplinar, mas só em 2011.

Construído para a Expo'98, o Pavilhão de Portugal, em Lisboa, tem tido nos últimos dez anos uma utilização errática e ocasional. Mas já há um projecto para uma ocupação definitiva do edifício, que só deve ficar pronto em 2011.

Coube a uma equipa liderada por João Pinharanda, historiador de arte e director do Museu de Arte Contemporânea de Elvas, elaborar o estudo de redefinição programática do Pavilhão de Portugal. Ao que o JN apurou, o trabalho está concluído e foi aprovado pela Parque Expo que, nos últimos tempos, o tem estado a apresentar à tutela. O primeiro-ministro já terá sido informado das intenções da empresa para o pavilhão, bem como o ministro da Cultura, o ex-ministro da Economia, o presidente do Turismo de Portugal e a vereadora da Cultura na Câmara Municipal de Lisboa, bem como o arquitecto Siza Vieira, autor do edifício.

Sem querer adiantar ao JN qual vai ser exactamente o conteúdo do novo espaço - a apresentação pública do projecto compete à Parque Expo e só deve acontecer em Setembro -, João Pinharanda explicou que será uma utilização "cultural e multidisciplinar". "Será um cruzamento de cultura, ciência e música", disse. Rolando Borges Martins, presidente da empresa, adiantou à Lusa que será um local de "mostra do talento português", dedicado à "presença dos portugueses no mundo".

O espaço - que não será um museu tradicional - vai ter um projecto permanente mas também zonas destinadas a utilizações temporárias e irá manter a valência de restaurante. O objectivo é que a nova ocupação do Pavilhão de Portugal "reflicta as várias vivências da zona", como a ciência (Pavilhão do Conhecimento e Ciência Viva), a cultura (Oceanário e Teatro Camões) e o lazer e espectáculo (Casino).

Siza Vieira, arquitecto responsável pelo projecto do pavilhão, já conhece o novo projecto e aplaude que se trate de uma ocupação pública e com um programa variado. Por diversas vezes Siza Vieira lamentou que o edifício esteja há tantos anos fechado e com utilizações esporádicas que, em seu entender, contribuem mais para a degradação do que para a manutenção do imóvel, em vias de classificação pelo IPPAR.

A decisão de avançar com uma ocupação definitiva "é a concretização de uma coisa que estava prevista desde o início", diz o arquitecto, satisfeito por ter sido finalmente encontrada uma utilização para o edifício. "Mais vale tarde do que nunca", desabafou, adiantando que vai ficar responsável pela adaptação dos interiores do pavilhão ao novo programa. A obra só deve estar concluída em 2011, ano em que o espaço deve abrir ao público, disse, ao JN, João Pinharanda.

PUB

Nos últimos anos houve várias hipóteses de ocupação faladas para o local (sede da presidência do Conselho de Ministros, Museu de Arte Moderna ou Agência dos Oceanos), todas abandonadas, bem como a ideia de compra do edifício pela Câmara de Lisboa.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG