Lisboa

Pingo Doce invadido por desempregados e precários

Pingo Doce invadido por desempregados e precários

O Pingo Doce do Rossio, em Lisboa, foi invadido este sábado à tarde por um grupo de 30 desempregados e trabalhadores precários, que exige que esta empresa lhes entregue um cabaz de produtos, como fez com um outro desempregado há três semanas.

Um cordão policial impede que qualquer pessoa entre na loja, mesmo que seja cliente.

Cerca de 30 pessoas permanecem dentro deste supermercado do Grupo Jerónimo Martins. Como forma de protesto, estão a preencher as suas reclamações muito devagar. Os restantes aguardam sentados no chão.

Cá fora, quem não conseguiu entrar distribui panfletos onde se pode ler que, "em 2012, o Pingo Doce lucrou milhares com a exploração do trabalho, com a asfixia dos circuitos de distribuição alimentar e com a fuga aos impostos".

"Os milhões acumulados pelo dono do Pingo Doce, Soares dos Santos, poderiam servir para milhões de pessoas viverem despreocupadamente", lê-se num documento, que foi arrancado das mãos dos jornalistas por um outro grupo de descontentes, que se juntou ao protesto e criticam o panorama jornalístico nacional.

No início do mês, um desempregado entrou no Pingo Doce para levar um pacote de arroz, mas acabou por sair da loja com um cabaz oferecido pela empresa.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG