O Jogo ao Vivo

Covid-19

Sindicato acusa call center da CUF de Lisboa de incumprimento no teletrabalho

Sindicato acusa call center da CUF de Lisboa de incumprimento no teletrabalho

O Sindicato dos Trabalhadores de Call Center denunciou "novos casos" de covid-19 entre trabalhadores do call center da CUF de Lisboa e acusou a empresa de ser "reincidente no incumprimento da obrigatoriedade de teletrabalho", o que a CUF refuta.

"Foram descobertos hoje [terça-feira] vários casos [de covid-19] no 'call center' de Moscavide, que pertence ao grupo CUF. O que sabemos é que já há alguns meses eles têm à volta de 70 a 80 pessoas a trabalhar no local, mesmo durante este período em que há obrigatoriedade de teletrabalho em funções compatíveis", explicou à Lusa o dirigente do Sindicato dos Trabalhadores de 'Call Center' (STCC), José Abrantes.

Em resposta à agência Lusa, a CUF refutou "integralmente as acusações do Sindicato dos Trabalhadores de Call Center - Tás Logado (STCC)".

O dirigente sindical salientou que as funções desempenhadas no 'call center' instalado em Moscavide, concelho de Loures, distrito de Lisboa, "são compatíveis com o teletrabalho".

"Estamos a falar de duas questões que na prática não estão a ser cumpridas e o grupo é reincidente nesta questão, e no mesmo local, ainda para mais", frisou.

O sindicalista apontou ainda ter relatos que referem que o "distanciamento nas áreas comuns do edifício e as medidas de higiene não estão a ser as melhores", apesar de salientar que o sindicato não tem como "confirmar em primeira mão estas questões".

José Abrantes vincou também que a CUF é "reincidente nesta situação" após em julho do ano passado "terem sido detetados quatro casos positivos no mesmo 'call center'".

PUB

"[Na altura] Denunciámos a situação à DGS [Direção Geral da Saúde] e quando a obrigatoriedade do teletrabalho voltou fizemos uma denuncia à ACT [Autoridade para as Condições do Trabalho], mas acabou por não dar em nada, pois após inspeção o grupo CUF indicou que não tinha condições técnicas para fornecer computadores a todos os trabalhadores e mantiveram os trabalhadores naquela situação", contou.

Na resposta à Lusa, a CUF garante que "cumpre escrupulosamente todas as regras relativas ao teletrabalho em todas as funções que o permitem e sempre que não seja colocada em causa a capacidade de resposta a quem necessita de cuidados de saúde".

A empresa disse ainda que tem mantido, ao longo da pandemia, "rigorosas medidas e procedimentos de controlo e segurança, para garantir a proteção dos colaboradores, nomeadamente desfasamento de turnos, medição de temperatura, atribuição de material de proteção individual e higienização regular das instalações", num esforço que tem sido "realçado pelas autoridades que supervisionam as condições de trabalho".

A CUF refutou, também, a denúncia de existência de casos de covid-19 com origem no seu Call Center de Lisboa.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG