Estragos

Vários carros vandalizados em bairro de Lisboa em apenas uma semana

Vários carros vandalizados em bairro de Lisboa em apenas uma semana

Moradores da freguesia do Areeiro nunca se sentiram tão inseguros. Dez carros danificados em apenas uma semana, para além de casas assaltadas.

Em apenas uma semana, pelo menos 10 carros foram vandalizados no Areeiro, em Lisboa. No grupo do Facebook do movimento cívico Vizinhos do Areeiro multiplicam-se os relatos de moradores indignados com o aumento da insegurança nesta zona, normalmente pacata e pouco familiarizada com este género de ocorrências. Nos últimos meses, algumas casas também foram assaltadas. Os habitantes não têm memória de episódios semelhantes e dizem que o bairro nunca esteve tão inseguro. Lamentam ainda a falta de meios humanos e técnicos da PSP.

Zélia Brito, moradora no Areeiro, encontrou, na manhã de 25 de dezembro, o vidro do seu carro partido, na Rua Egas Moniz. Levaram-lhe os óculos de sol graduados do marido e "umas moedas". "Revoltaram tudo, só para destruir", desabafou nas redes sociais. Num raio de dois quilómetros, no mesmo dia, pelo menos mais nove veículos foram vandalizados nas ruas Vítor Hugo e Oliveira Martins, e em ruas principais, como as avenidas de Madrid, Afonso Costa e Padre Manuel da Nóbrega.

Localizado

"A noite de terça (dia 24) foi um desastre. Não me lembro disto acontecer em 30 anos", lamentou Germana Jesus, moradora. No dia seguinte, surgiam novas publicações logo pela manhã. "Esta noite foi péssima, está outro carro vandalizado junto ao antigo stand da Honda", comentou Hugo Ferreira. As histórias repetem-se e são semelhantes: vidros ou faróis dos carros destruídos. "Trata-se de vandalismo gratuito, uma vez que não há furtos", defende Rui Martins, fundador do Vizinhos do Areeiro.

O dirigente do movimento cívico acredita que este fenómeno é "localizado entre a estação de comboios Roma-Areeiro e a Praça do Areeiro, e entre esta e a rotunda das Olaias". "Fora desta área não acontece nada, é estranho", repara. O morador também teme que hajam mais ocorrências. "A maioria das pessoas não posta estas situações nas redes sociais, nem reporta o crime. Há mais episódios pelo bairro, claramente", garante.

Outros estragos

No grupo de moradores há ainda denúncias de cortes de cabos de operadoras de comunicações, assaltos a habitações e a um cabeleiro. Inês Guimarães, moradora há 20 anos na zona, já não se sente segura. "Não me recordo de haver situações assim. É "dia sim dia sim"", lamenta. Um sentimento partilhado por vários residentes, que pedem um reforço do policiamento.

Além dos atos de vandalismo aos carros, houve tentativas de assaltos, diz Inês Guimarães. "Ao meu vizinho forçaram a fechadura e ele não conseguiu entrar. Já a minha vizinha viu o assaltante a passar um cartão na fechadura. Perguntou quem era e ele foi-se embora", relata ao JN. Acabaram por assaltar outro andar do prédio pela janela da cozinha, e mais algumas casas nas imediações. Na semana passada, partiram o vidro do carro novo da filha. "Foram vários dias seguidos", recorda.

O presidente da Junta de Freguesia do Areeiro, Fernando Braamcamp, também está apreensivo com "a perspetiva de um aumento da insegurança" no bairro. "Pode ter sido um gang que passou por aqui e provocou isto. Tenho esperança que tenha sido uma situação passageira e pontual e não se volte a repetir, mas estou preocupado", diz.

O autarca social-democrata garante que já pediu, várias vezes, mais policiamento de proximidade e vigilância à esquadra que atua na zona, mas a resposta é sempre a mesma. "Dizem sempre que não têm meios, nem carros, nem efetivos. Infelizmente, é um problema da cidade toda", lamenta.

Falta de meios na PSP

A carência de meios da PSP é uma das maiores preocupações dos moradores deste bairro lisboeta. Uma apreensão partilhada pelo presidente do Sindicato Nacional da Polícia, Armando Ferreira. "A falta de efetivos é o maior problema da PSP. Há vários carros avariados à espera de serem reparados. Os que estão a funcionar também não têm a manutenção necessária", critica.

Já Mário Andrade, presidente do Sindicato de Profissionais da Polícia, considera que o aumento da insegurança nesta e noutras freguesias da cidade "é reflexo da falta de policiamento". "Com a falta de polícias que existe, não conseguimos fazer patrulhamentos, só gerir as ocorrências no dia-a-dia. Estas ocupam-nos muito tempo e não conseguimos fazer uma prevenção, que deveria ser primordial", lamenta.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG