Explosão

Vizinhos viram mulher debaixo dos escombros e homem projetado

Vizinhos viram mulher debaixo dos escombros e homem projetado

Moradores de prédios vizinhos ao que ruiu, em Lisboa, sentiram o impacto da explosão e relatam o que viram, quando saíram a correr para a rua, assustados.

Quando, pelas 7.30 horas deste domingo, José Cruz, de 59 anos, viu o teto da pastelaria onde estava a trabalhar abater, ainda pensou que fosse um qualquer rebentamento de água. Mas depois viu fumo e, em seguida, ouviu uma explosão. O cenário que encontrou na Rua de Santa Marta, uma paralela à Avenida da Liberdade, em Lisboa, assustou-o.

"Havia escombros com uma senhora por baixo", conta ao JN, com uma mochila com os documentos ao ombro, os únicos pertences que conseguiu retirar de dentro da pastelaria "Fórum", localizada ao lado do prédio que, este domingo de manhã, ruiu, em Lisboa. O carro, estacionado em frente, foi atingido por pedregulhos.

"Um senhor ia a sair da garagem [do outro lado da rua] e foi projetado para trás", acrescenta, enquanto observa os trabalhos de socorro e remoção dos escombros. Pelas 11.40 horas, o que restava da fachada do prédio ruiu, assustando as cerca de duas dezenas de populares que se encontram no local, afastados pelo perímetro de segurança montado pelo PSP.

Entre estes, estão Ísis Zuzarte, de 30 anos, e Daniela Belmonte, de 27, que moram dois prédios ao lado do local da explosão. Acordaram estremunhadas com o ruído. "Foi o tempo de acordar toda a gente que estava no andar e sair", descreve a primeira. As janelas e as portas do apartamento partiram-se com o impacto.

PUB

Já na rua, viram também uma mulher debaixo dos escombros, "um senhor só de calções" e um menor magoado. "Foi horrível", resumem Ísis e Daniela, que, como os seus vizinhos, saíram de casa apenas com a roupa que tinham no corpo.

Pelas 12.40 horas, um dos responsáveis do hostel onde estão a residir em permanência informou os moradores que as condições de habitação serão avaliadas pelas 15.30 horas. Até lá, irão permanecer em instalações dos bombeiros, onde está a ser prestado apoio à população afetada pela explosão seguida de derrocada.

No local, permanecem os bombeiros e PSP, com cães pisteiros, e funcionários da câmara municipal, que estão a ajudar a remover os destroços.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG