Loures

Polémica na venda de quartel a privado

Polémica na venda de quartel a privado

CDU acusa maioria PS de ter deixado escapar velho ex-líbris de Sacavém. Imóvel está classificado no plano director como um equipamento militar. Espaço acolheu o Batalhão de Adidos do Exército português até finais do ano passado

A venda do Quartel de Adidos de Sacavém, em Loures, a um privado está a gerar polémica entre o executivo PS e a Oposição. A CDU acusa a autarquia de não ter feito tudo o que estava ao alcance para adquirir o imóvel, perdendo "uma oportunidade única" para requalificar a cidade.

Segundo Anabela Feliciano, vereadora da CDU, a aquisição deste "espaço privilegiado", situado na zona histórica de Sacavém, poderia ser "uma oportunidade para fazer respirar a cidade". A requalificação, no entender da autarca, poderia passar pela criação de espaços verdes e de lazer e a instalação de equipamentos públicos e colectivos como "uma nova escola, biblioteca, estacionamento ou um centro cultural".

Em causa está um imóvel de 103 mil metros quadrados, que inclui o antigo Mosteiro das Clarissas, cuja história remonta ao século XVI. O convento acolheu o Batalhão de Adidos do Exército Português até finais de 2007, altura em que foi desactivado.

Em 2006, o quartel passou para a posse da empresa Estamo S.A.. A Câmara de Loures poderia exercer o direito de preferência, uma hipótese prevista para imóveis que incluam edifícios classificados de interesse público ou em vias de classificação. Este seria o caso da Igreja Matriz de Sacavém, situada na área do quartel.

No entanto, já em 2007, a Direcção-Geral do Tesouro e Finanças assumiu o erro: afinal, a Igreja Matriz não estava em vias de classificação e o município não poderia exercer o direito de preferência. Seguiu-se, em finais de 2007, a venda, em hasta pública, a um privado.

No entanto, segundo João Pedro Domingues, vereador do Urbanismo, a autarquia terá ainda uma importante palavra a dizer no destino a dar ao imóvel. No Plano Director Municipal, o quartel está classificado como equipamento militar, deixando o proprietário "preso" às directrizes municipais, uma vez que qualquer alteração no imóvel terá de passar pela autarquia.

Apesar de admitir que o plano de pormenor para o terreno ainda não está definido, João Pedro Domingues adianta que "vai ter de passar pela requalificação da cidade de Sacavém, através da criação de espaços verdes, por exemplo".

ver mais vídeos