Sintra

Comerciantes e moradores do centro histórico de Sintra contestam multas de estacionamento

Comerciantes e moradores do centro histórico de Sintra contestam multas de estacionamento

Moradores e comerciantes do centro histórico de Sintra estão indignados com as acções fiscalizadoras da Policia Municipal e da empresa municipal que gere o estacionamento, contestando a "caça à multa" e o recente bloqueio de viaturas.

Junto ao mercado da Estefânia, no centro de Sintra, existe um sentimento de revolta despertado pela utilização, desde Outubro, de bloqueadores por parte da Policia Municipal e dos fiscais da Empresa Municipal de Estacionamento de Sintra (EMES).

Os moradores e comerciantes ouvidos pela agência Lusa dizem-se descontentes com o que chamam de "caça à multa" levada a cabo pelas entidades fiscalizadoras do estacionamento.

É o caso do morador Manuel Henriques que já discutiu com uma fiscal da EMES sobre a aplicação de uma multa, alegando que possui o cartão de residente exposto na viatura.

"Multam quem devem e quem não devem. Eu tenho o cartão de morador e mesmo assim levei multa. Isto está assim há uns anos mas o pior são os bloqueadores, que ficam muito caros", disse.

Por seu lado, a fiscal argumentou com Manuel Henriques: "O senhor não tem o cartão completamente visível. Não se consegue ver a matrícula do veículo e o senhor sabe disso".

O proprietário de um estabelecimento, Paulo Lucas, contesta a actuação dos agentes fiscalizadores: "Uma vez parei o carro e vim à loja buscar dinheiro para pôr no parquímetro. Quando cheguei ao carro já estava multado. É absurdo".

O comerciante adiantou que esta situação está a retirar clientes ao comércio local, numa zona onde já é difícil "encontrar um lugar para estacionar".

"Quando só multavam, as pessoas ainda vinham aqui ao comércio local, porque as multas não ultrapassavam os dois euros. Agora, como bloqueiam as viaturas e os clientes têm que pagar noventa euros, estão todos a desaparecer daqui", disse.

O mal-estar de comerciantes e moradores aumentou a partir de Outubro de 2010, com o início de acções conjuntas entre a Policia Municipal e a EMES, através da iniciativa "Bloqueou Sintra".

O objectivo desta campanha passa pela verificação do cumprimento nas zonas tarifadas, com a possibilidade de bloqueamento e remoção de veículos "indevidamente ou abusivamente estacionados".

Um dos fiscais da EMES, que solicitou anonimato, adiantou à agência Lusa que desde Outubro já houve casos de agressões aos fiscais.

"Todos os dias temos chatices. Chamam-nos nomes, já fomos agredidos, e somos obrigados muitas das vezes a chamar a GNR. Eu compreendo as pessoas, mas elas têm que perceber que só estamos a cumprir o nosso trabalho", disse.

Este fiscal assegura que as viaturas que são bloqueadas são as que apresentam dívidas de estacionamento ou as que estejam indevidamente estacionadas em locais onde não é permitido.

Segundo o presidente da Associação Empresarial de Sintra, Manuel do Cabo, esta é uma situação "muito preocupante", que prejudica quer o comerciante que se vê impossibilitado de estacionar próximo do seu estabelecimento, quer os clientes.

O presidente da Câmara de Sintra, Fernando Seara, considerou que a regulação das zonas de estacionamento é importante para criar mecanismos de rotatividade de lugares de estacionamento no centro histórico.

"Temos que criar mecanismos de comportamento. Não acontece só em Sintra, acontece nas outras cidades", disse à Lusa Fernando Seara.