Covid-19

Autarca de Amarante acusa hospital de ter preparado tarde e mal a 2.ª vaga da pandemia

Autarca de Amarante acusa hospital de ter preparado tarde e mal a 2.ª vaga da pandemia

O presidente da Câmara Municipal de Amarante, José Luís Gaspar, considera que o Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa "é o responsável pelo colapso" do novo Hospital S. Gonçalo. "Não resta nenhuma dúvida do défice de preparação e planeamento do Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa entre a 1.ª e a 2.ª vaga", denuncia.

O autarca, numa declaração gravada em vídeo e colocada online no site da autarquia, garante que "em tempo útil disponibilizou" ao CHTS os "meios e os recursos" da autarquia para ajudar no que estivesse ao seu alcance. "Não foi esse o entendimento dos responsáveis. Sabemos hoje que o facto de terem andado tarde e mal originou, entre outras coisas, o colapso da infraestrutura hospitalar de Amarante imediatamente após terem começado a receber casos de infeção". Um equipamento, lembra José Luís Gaspar, "ao qual nunca prestaram a devida atenção, serviu agora para hospital de retaguarda, mas sem terem sido asseguradas as mínimas condições prévias".

O edil reconhece, no entanto, que este não é o momento para se tratar do assunto, mas sim para apoiar os profissionais de saúde e população e as pequenas empresas.

Assim, para minimizar os efeitos da pandemia, José Luís Gaspar promete revelar nos próximos dias um novo pacote de medidas de apoio à economia local e às famílias em dificuldades. "A nossa proposta de Orçamento Municipal para o próximo ano, contempla um montante muito significativo para a manutenção do combate a esta crise, muito focado no apoio às famílias e às pequenas empresas", acrescenta.

O JN procurou obter uma reação do presidente do conselho de administração do CHTS às acusações de José Luís Gaspar, mas, até ao momento, Carlos Alberto Silva não se pronunciou sobre o assunto.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG