Obra

Retirada de resíduos perigosos de Gondomar termina no início da primavera

Retirada de resíduos perigosos de Gondomar termina no início da primavera

Em outubro, soube-se que iria haver um novo atraso na retirada dos resíduos perigosos, devido ao abrandamento da empreitada causado pelo aparecimento de material explosivo, como granadas. Todavia, esta sexta-feira, a propósito da visita do ministro do Ambiente ao local, verificou-se que a obra já voltou a um ritmo frenético, com a presença de retroescavadoras no local.

Confrontado pelo JN com o facto de o atraso ter sido relacionado com a operação decorrer de forma mais lenta por precaução - quando ao local já voltaram as retroescavadoras -, o ministro do Ambiente, Matos Fernandes, respondeu que "99% do trabalho foi feito com as máquinas". Só 1% dos trabalhos foram manuais, "quando apareceram os explosivos". "Aí, obviamente que não podíamos andar com máquinas, tivemos de andar de forma mais demorada", explicou o governante.

Já quanto à demora dos trabalhos, Matos Fernandes foi perentório: "Foi o tempo necessário para fazer uma empreitada como esta". O ministro preferiu valorizar o facto de "nunca" a equipa (formada pelo Governo, Comissão de Coordenação da Região Norte e Câmara de Gondomar) "ter desistido".

Daí que o ministro do Ambiente tenha indicado "o início da primavera" como novo prazo para "toda esta intervenção estar concluída".

"É inaceitável o que foi feito"

O governante, que visitou as antigas minas de S. Pedro da Cova esta sexta-feira, data em que assinalou os seis anos como ministro, lembrou também que "foi inaceitável o que aqui foi feito", lamentando que a ação em tribunal para culpar eventuais responsáveis pela deposição dos resíduos perigosos tenha "acabado em nada". "Gostaríamos de ser ressarcidos do investimento que fizemos", sublinhou.

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG