Gondomar

Bombeiros da Areosa/Rio Tinto pedem apoio em dia de centenário

Bombeiros da Areosa/Rio Tinto pedem apoio em dia de centenário

Os Bombeiros Voluntários da Areosa-Rio Tinto comemoraram neste domingo um século de existência. Uma cerimónia marcada pela emoção da homenagem ao antigo comandante Virgílio Pereira, que morreu em 2019. Mas também houve tempo para lembrar que é preciso apoiar a corporação.

O dia era de celebração e de festa pelos 100 anos da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Areosa - Rio Tinto, mas a emoção tomou conta do quartel quando, ainda antes da entrega das medalhas comemorativas, foi dado a conhecer que aquele espaço - para onde a corporação se mudou há 11 anos - foi batizado de Quartel Comandante Virgílio Pereira, falecido em 2019 de doença súbita.

Do ministro da Administração Interna, José Luís Catarino, passando pelo comandante operacional nacional da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), Duarte Costa, até ao presidente da Câmara de Gondomar, Marco Martins, todos evocaram "a figura singular e o bombeiro pelo serviço que dedicou à causa".
Entre palmas e lágrimas foi revelado um "memorial", à porta do quartel, no qual é recordado o "Gil", como carinhosamente era conhecido. Ali sublinham-se os 42 anos da sua vida em que envergou a farda daquele corpo de bombeiros, "de mascote da fanfarra a comandante, sempre com o mesmo orgulho e dedicação".

PUB

No dia em que foram agracidos elementos que vão passar ao quadro de honra após mais de 30 anos de serviço, Rui Pedro Magalhães, da direção da corporação, aproveitou a presença do ministro para lembrar que "o financiamento dado aos bombeiros é do século passado". "Há cada vez menos bombeiros voluntários" e, por isso, "deve-se olhar para esta problemática com outros olhos", uma vez que "há que compensar o trabalho gratuito", destacou.

A corporação batizou uma nova ambulância de socorro e uma mota de emergência, mas o dirigente pediu "uma ajuda da tutela e da Câmara de Gondomar" para substituir uma viatura de combate a incêncios urbanos e outra de incêndios florestais que têm uma média de 30 anos.

Marco Martins respondeu ao repto e anunciou "um investimento de dois milhões de euros a serem pagos nos próximos dois anos para reequipar" as corporações do concelho. E numa manhã de festa, que terminou com um desfile do corpo de bombeiros, o autarca revelou ainda um "apoio extraordinário de 50 mil euros" à corporação.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG