Covid-19

Refeições para distribuir em Gondomar preparadas nas cantinas escolares

Refeições para distribuir em Gondomar preparadas nas cantinas escolares

As cantinas das escolas encerradas em Gondomar vão servir para preparar refeições que serão distribuídas aos que precisam de apoio ou não podem sair de casa devido à Covid-19, numa operação municipal que arranca esta segunda-feira e inclui ajuda para pequenas tarefas, como compra de alimentos e medicação.

A iniciativa da Câmara de Gondomar, em colaboração com as juntas de freguesia e as instituições particulares de solidariedade social (IPSS), destina-se aos grupos de risco e à população mais vulnerável, como por exemplo idosos e pessoas com deficiência, entre outras situações devidamente avaliadas.

Para o projeto desenvolvido no âmbito da rede social do concelho, IPSS e juntas que fazem apoio direto vão ter ajuda do Município no abastecimento de combustível para as suas viaturas.

O objetivo da operação é apoiar a população nesta conjuntura de restrições, quando há limitações à circulação no âmbito do estado de emergência, várias famílias em quarentena, munícipes em tratamento domiciliário e outros a viverem isolados, sem qualquer apoio familiar.

Quase 40 infetados

Além disso, já foram criados circuitos para a recolha personalizada de resíduos no caso das habitações que têm pessoas infetadas. Os últimos dados apontavam para 37 infetados no concelho. Recorde-se que as orientações nacionais são para que o lixo produzido por doentes ou quem lhes presta auxílio seja posto no contentor comum, mas com regras.

As medidas que estão a ser lançadas em Gondomar baseiam-se no levantamento das necessidades que o Município tem vindo a realizar. Além disso, foi criada uma central logística para cedência de equipamento de proteção, como batas, fatos, luvas, máscaras, óculos de proteção, desinfetantes e espumas de limpeza. Foram já entregues mais de seis mil artigos de proteção às cinco corporações de bombeiros e à Cruz Vermelha, no valor de cinco mil euros.

Entretanto, começa segunda-feira a entrega de material de proteção às forças de segurança e IPSS da rede social.

Para o levantamento das necessidades, estão a ser realizados contactos telefónicas individuais com as pessoas inscritas no programa "Idade d' Ouro", que integra cerca de 18 500 pessoas com mais de 60 anos. O objetivo é também identificar a existência ou não de retaguarda familiar.

Em simultâneo, foi remetido um ficheiro às entidades que integram a Comissão Municipal de Proteção Civil e Rede Social (juntas, forças de segurança, IPSS, Segurança Social, paróquias e conferências vicentinas) para identificação de outras situações que possam estar fora das listagens da Câmara. Do mesmo modo, também a nova linha de apoio ao munícipe está a ser usada para reunir informação.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG