Covid-19

Lousada pede fim das comissões no MB Way para facilitar pagamentos

Lousada pede fim das comissões no MB Way para facilitar pagamentos

A Câmara de Lousada pediu à Associação Portuguesa de Bancos e à SIBS o fim das comissões na aplicação MB Way, que pode facilitar os pagamentos nas entregas ao domicílio a quem está em isolamento devido ao novo coronavírus. A autarquia também já abordou o Ministério da Economia nesse sentido.

No apelo enviado, o vereador da Saúde e Economia, Nélson Oliveira, lembra que o município de Lousada esteve desde a primeira hora na linha da frente a tentar desenvolver estratégias para dar resposta ao problema, já que era do concelho um dos primeiros infetados (e o primeiro paciente dado como curado no país). Foi em Lousada e Felgueiras que foi detetado o primeiro foco de contágio, com vários casos positivos registados.

"Há cerca de duas semanas que temos pessoas em isolamento profilático obrigatório ou opcional, a recuperar da patologia associada", salienta o autarca, referindo que daí "advém uma série de comportamentos que poderão despoletar a propagação da doença de forma involuntária, por exemplo, quando solicitam entregas ao domicílio e necessitam de pagar as encomendas".

"Tentamos demover a população em isolamento a contactar presencialmente e "cara a cara" com outras pessoas, mas infelizmente sabemos que há quem facilite e coloque em causa o esforço de todo o país", admite Nélson Oliveira.

Perante o aumento das entregas, de estabelecimentos de restauração, talhos, peixarias, entre outros, que fazem o dinheiro circular "de mão em mão", o vereador da Saúde apela a que seja incentivado o uso da plataforma MB Way, que permite "segurança, rapidez e confiança para confirmar pagamentos sem que haja qualquer contacto".

Depois de o BCP já ter isentado as comissões cobradas nesta plataforma, o autarca sensibilizou a Associação Portuguesa de Bancos para que o mesmo aconteça nas outras instituições bancárias. "Venho solicitar que esta possibilidade de isenção de comissões MB Way possa ser alargada a todo este período de exceção. Permitirá maior confiança, menos contacto e as pessoas podem ser servidas de um modo mais seguro", escreveu.

Outras Notícias