Solidariedade

Peditório no Facebook dá carro novo a família monoparental do Marco de Canaveses

Peditório no Facebook dá carro novo a família monoparental do Marco de Canaveses

Vítor Barbosa, o "pai herói" desempregado do Marco de Canaveses que resgatou os cinco filhos menores a uma instituição de acolhimento, recebeu, esta segunda-feira, a carrinha de seis lugares para que possa passear com os filhos.

A viatura foi adquirida com o dinheiro das dádivas angariadas por um grupo de ajuda de ajuda - "Bora lá ajudar... um carro e seis maravilhosos sorrisos" - criado no Facebook por duas conterrâneas, Cátia Oliveira e Manuela Queirós.

Emocionado, ao volante do novo carro, o ´pai herói´ já disse que a primeira grande viagem com os filhotes vai ser ao Santuário de Fátima para "agradecer à Santa" a sorte que a vida lhe deu. De surpresa Vítor Barbosa foi à escola buscar os filhos ao volante do novo carro.

As dificuldades económicas de Vítor Barbosa para criar os cinco filhos foram tornadas públicas pelo próprio num programa televisivo da TVI acompanhado dos pequenotes: Margarida a mais nova com seis anos, o mais velho, o Luís tem 14 anos e o Afonso tem 8 anos. Já os gémeos Vítor e Pedro têm 13 anos.

A ida à televisão foi despoletada após a conquista da responsabilidade parental do progenitor. Após separação da mulher os filhos ficaram à guarda da avó materna, pouco tempo depois, os menores foram institucionalizados no Porto. Há cerca de um ano, com a ajuda de Zita Monteiro uma advogada local que se interessou pelo caso, o "pai herói" conseguiu resgatar os filhos e está a criá-los "sozinho", apesar de não ter emprego. "Nunca faltei com nada aos meus filhotes. Apenas precisamos de algum conforto, de resto somos felizes", garantiu Vítor Barbosa.

A falta de conforto de que fala o "pai herói" tem a ver, por exemplo, com a necessidade de uma casa "maior" porque "queria ter um quartinho para a minha menina. Preciso de uma casa, mas a renda não pode ser muito alta porque não vou tirar da boca dos meus filhos para pagar uma renda de 300 euros como estão a pedir" ressalva.

Uma outra necessidade relaciona-se com o tratamento clínico de um filho, o Pedro, que nasceu com paralisia cerebral. Não tem força na mão e pé esquerdos. "Os médicos garantiram-me que, se ele, for operado ao pé, há 95% de probabilidades de ficar bem", revela.

A conta bancária criada no âmbito do grupo de ajuda mantém-se aberta, até porque, dizem as autoras do grupo de ajuda "a família tem outras carências e assim quem quiser a ajudar pode continuar a fazê-lo". O IBAN da conta é o seguinte: PT50 0045 1346 4031 8744 1099 2.