Mobilidade

Deputados do PSD querem explicações do Governo sobre ponte móvel de Leixões

Alfredo Teixeira

Eleitos pelo PSD visitaram a ponte móvel de Leixões

Foto Dr

Eleitos sociais-democratas visitaram o local na manhã desta segunda-feira. Querem uma alternativa à travessia da A28 e que população seja compensada pelos constrangimentos causados pelas sucessivas avarias.

Os deputados do PSD eleitos pelo Distrito do Porto vão "exigir ao Governo", através de uma pergunta que será colocada ainda esta semana, que a Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo (APDL) explique por mais quanto tempo a ponte móvel de Matosinhos continuará inoperacional.

"A ponte está encerrada há demasiado tempo. Primeiro era só por 30 dias agora será por mais duas semanas, com grandes problemas para a população do concelho e para a mobilidade. Caso a situação se prolongue exigimos que o Governo encontre uma alternativa à única travessia em funcionamento, a A28", refere o deputado social-democrata Álvaro Almeida.

"Esta administração da APDL tem tido uma atitude um pouco isolacionista e sem ter em consideração o impacto que esta situação tem para a população de Matosinhos, sem haver uma explicação ou se encontrar uma solução permanente", acrescenta o deputado, sendo a mesma crítica acompanhada por Bruno Pereira, presidente da concelhia do PSD de Matosinhos.

"Ao contrário do que acontecia antes, esta administração não é constituída por elementos de diferentes forças políticas ou da sociedade civil. Só tem elementos do PS o que gera incompatibilidade em termos de diálogo. Já a Câmara de Matosinhos é subserviente da APDL e não exige uma solução", explica Bruno Pereira. E os sociais-democratas dão como outro exemplo "de falta de consideração pela população" o caso do projeto do prolongamento do molhe do Porto de Leixões avançado "sem que o impacto ambiental tenha sido avaliado".

Álvaro Almeida, Bruno Pereira e outros elementos do PSD, como o presidente da Distrital e também deputado Alberto Machado, visitaram na manhã desta segunda-feira a infraestrutura que se encontra inoperacional. Recorde-se que esta travessia sobre o Porto de Leixões tem sofrido avarias constantes nos últimos anos. "A APDL tem de compensar a população por estas situações, nem que seja a nível financeira", considera o presidente da concelhia, Bruno Pereira.